fbpx

Nilson Bessas – A consistência da perseverança

Transitando por uma rua do centro da cidade, num dia desses, observei que uma bela loja inaugurada há pouco menos de um ano, havia fechado as portas e encerrado suas atividades. Parecia-me, até então, ser uma empresa promissora, com farto estoque e uma excelente visibilidade, onde o proprietário e colaboradores exaltavam energia e entusiasmo. No entanto, o que aconteceu? Por quê desistiram?

O motivo da desistência poderia ter vindo de alguma ameaça de mercado ou de algum outro fator complexo. Mas, não foi o caso. Na verdade, o fechamento desta empresa não se trata de um fato isolado, pois, acontece com elevada frequência, tornando-se mais um dado a configurar nas estatísticas de empresas que fracassam e fecham as portas precocemente.

Mas, quais são as causas deste desfecho? O que faz alguém, cheio de motivação e sonhos, investir tempo e dinheiro em algo, e pouco tempo depois desistir? Algumas vezes o insucesso pode ser originado da falta de planejamento, falta de capital, falta de paixão pelo empreendimento, falta de visão de mercado. Porém, uma das causas bastante comuns atribuídas aos fracassos e insucessos é a falta de perseverança por parte do empreendedor.

Muitas vezes, o empreendedor reúne um conjunto de fatores que podem determinar o sucesso empresarial, mas ao se deparar com os desafios do dia a dia e com resultados negativos inesperados – comuns em início de atividades – perdem o entusiasmo com o negócio; e ao invés de continuar trabalhando, buscando novos caminhos, com novas estratégias, abandonam o projeto.

Perseverar por aquilo que nos propusemos a realizar, faz toda a diferença, sendo a ponte que levam as pessoas comuns a conquistarem posições de sucesso, reconhecimento e respeito. No universo corporativo é a mesma coisa. Empresas iniciantes saem do zero e se tornam importantes corporações quando seus fundadores têm perseverança.

soichiro_01Soichiro Honda nasceu em 1906 e aos dezesseis anos de idade arrumou um emprego numa oficina de reparação de automóveis sediada em Tóquio. Enquanto trabalhava nesta empresa ele criou o seu próprio carro de corrida usando o motor de um avião velho. Em 1936 sofreu um grave acidente e teve que ficar afastado. Em 1937 após ter se recuperado, ele montou uma fábrica de anéis de pistão. Mas, como tinha pouco conhecimento sobre moldagem e fundição, matriculou-se numa escola técnica para buscar o domínio das teorias que envolvia seu processo de fabricação. Em 1945, durante a guerra, um bombardeio destruiu a sua fábrica. Em 1946 ele teve que começar tudo de novo e montou o ‘Instituto de Pesquisa Técnica Honda’ para motorizar bicicletas. Foi um sucesso, e em 1948 a Honda começou a fabricar motocicletas e veio se tornar a maior empresa do seguimento no mundo. Mais tarde, em 1967 a Honda passou a produzir automóveis, se tornando-se um ícone da indústria automobilística. Soichiro Honda, embora fosse o presidente da Honda Motor Company por mais de duas décadas, ele gostava mesmo era de atuar no laboratório de pesquisa, onde com outros engenheiros dedicava-se a encontrar soluções tecnológicas para a sofisticação de seus veículos. Com uma trajetória repleta de obstáculos, ele não se deixou abater pelas dificuldades encontradas pelo caminho. Sua perseverança – nos momentos de alta complexidade e desafio – foi fundamental para que pudesse sair do zero e construir um dos maiores impérios da indústria automobilística do mundo, com cerca de 72 unidades de produção, 35 centros de pesquisas e desenvolvimento e aproximadamente 200 mil colaboradores espalhados pelo mundo.

Michael_Jordan_ye (1)

Michael Jordan no início de sua carreira foi rejeitado pelo time de basquete do colégio. No entanto, foi perseverante ao buscar o aperfeiçoamento de suas habilidades, treinando 8 horas por dia. Durante todo este treinamento, ele observou as suas deficiências para poder consertá-las, e o resto da história todos conhecem, ele se tornou o melhor jogador de basquete de todos os tempos e um dos principais desportistas masculinos da história.

 

thomas_edison

Thomas Edson foi recusado na escola com a alegação de ter problemas mentais e teve que estudar em casa com o apoio da mãe. Durante a juventude, por diversas vezes fracassou em suas atividades, mas nunca desanimou de fazer novamente. Mais tarde em suas invenções, ele foi perseverante em cada pesquisa feita em seu laboratório de engenharia elétrica improvisado em Newark no estado de Nova Jersey. Após anos de tentativas, de experiência em experiência, em 21 de outubro de 1879, Thomas Edson, aos 32 anos de idade, inventou a lâmpada elétrica, que ficou acesa por 45 horas seguidas para certificar sua eficácia. A descoberta lhe tornara o homem mais admirado do mundo. Considerado o mais fértil inventor de todos os tempos, com milhares de invenções e patentes – além da lâmpada elétrica – ele criou o fonógrafo, o projetor de cinema e aperfeiçoou o telefone. Thomas foi a encarnação mais que perfeita do supremo mito americano do “self made man”, o homem que começa de baixo, e apenas pelos próprios méritos, termina coberto de glória e fortuna. Ele morreu em 1931 aos 84 anos, e no dia de seu enterro, em sua homenagem todas as luzes dos Estados Unidos foram apagadas durante 1 minuto.

en-henry-ford-jpg

Henry Ford, no início do século 20, fracassou por várias vezes e foi à falência, sendo criticado por autoridades da época que diziam que o homem jamais iria substituir os cavalos por máquinas. Ele foi perseverante com seus planos e transformou a indústria automobilística.

 

 

bill-gates-jpgBill Gates em 1970 fundou a Traf-O-Data, empresa de tecnologia com o propósito de oferecer soluções de trânsito. Porém, na época ninguém tinha problema com o trânsito, tornando a empresa um fracasso. Perseverante ele não desistiu e a partir da empresa de tecnologia fracassada, anos depois criou a Microsoft, hoje uma das maiores empresas de tecnologia do mundo.

size_590_romero_rodrigues-600Romero Rodrigues em sua 5ª tentativa de empreendimento, em abril de 1999, criou e lançou com três sócios um site de busca e comparação de preços. Inicialmente o site relacionava os preços apenas de meia dúzia de varejista, dos quais lhe acusavam de louco, considerando que eles não davam preço nem por telefone, quanto mais, disponibilizar os preços na internet. Mas, ainda assim, eles foram adiante. Porém, quando parecia que tudo estava se encaminhando razoavelmente bem, mais um obstáculo surgiu pelo caminho através de uma ligação telefônica: o maior varejista que constava em seu site, ameaçou processá-los, caso eles não tirassem a sua empresa do site. Romero e os sócios, após debaterem a questão, resolveram mantê-la. No final de 1999 a internet ganhou força no Brasil com o início das atividades do Submarino. Romero então recebeu oito propostas de investimentos e no final de fevereiro o Buscapé foi tema de uma matéria da Revista Veja. E com isso, um fato curioso ocorreu com Romero na universidade onde estudava. Numa certa ocasião, como havia varado a noite programando, não resistiu e dormiu debruçado sobre a carteira na sala de aula. O professor irritado com a cena diz: enquanto vocês dormem tem gente aí arrebentando. Vocês viram a matéria na Veja? Esse pessoal do Buscapé usa “banco de dados” na programação do site.  E estou aqui dando aula sobre banco de dados e vocês estão dormindo. Sobressaltados, boa parte dos alunos apontaram em direção de Romero dizendo que ele era do Buscapé. Romero acordou todo amassado com a euforia dos risos, e o professor rapidamente assimilando a cena, então lhe dirige a palavra: você é o Romero do Buscapé? Meio ainda que dormindo, ele acenou a cabeça positivamente. Então pode continuar dormindo, disse o professor. De 1998 a 2001 o Buscapé não teve receita, ou seja foram 4 anos de muita perseverança no negócio. Em 2002 todas as empresas que estavam no site tinham que pagar por cada clique dos consumidores, e neste momento aquele grande varejista que os ameaçaram de processá-los, caso eles o mantivesse no site naquela ocasião, agora fez o contrário. Ligou e disse que os processariam caso eles os deixassem de fora do site. Foi neste momento que eles perceberam o sucesso da empresa. Em 2006 o Buscapé comprou o seu principal concorrente: o Bondfaro. E no ano seguinte comprou o eBit chegando comparar mais de 10 milhões de produtos de mais de 320 mil lojas. Em 2009, 91% do Buscapé foi vendido a multinacional Naspers por 342 milhões de dólares, sendo considerado o maior negócio da internet no Brasil.

Esses são alguns exemplos de pessoas bem sucedidas que tiveram na perseverança seu maior trunfo. São pessoas comuns iguais a nós, não mais inteligentes, nem mesmo mais sábias e talentosas. Michel Jordan mesmo, somente demonstrou seu talento depois de treinar muito. Transformou sua deficiência em eficiência. Se você tiver uma ideia e testá-la quantas vezes Thomas Edson testou, certamente você será um gênio também. Portanto, percebo que os maiores obstáculos que enfrentamos hoje, é falta de perseverança por algo que desejamos fazer ou construir. Muitas vezes, desistimos só de pensar.

Pense em Soichiro Honda e Henry Ford! Dois jovens totalmente desprovidos de oportunidades se considerarmos o meio familiar onde nasceram e cresceram. Mas transformaram o mundo com seus projetos. Muitos dizem que quando alguém consegue tamanho êxito foi porque teve sorte. Mas será que estes dois homens tiveram sorte na vida? Pois, pelo que conhecemos de suas histórias, podemos concluir que o cenário a volta deles forjava um inevitável fracasso.

Contudo, preciso atentar para um fato. Quando formos executar um projeto precisamos muito mais que sermos persistentes, precisamos, indispensavelmente, sermos perseverantes. O persistente ao buscar estabelecer um resultado pode ser induzido algum erro e a permanecer nele. No entanto, o perseverante permite uma eficácia em busca da realização ao testar formas diferentes para alcançar o seu objetivo, assegurando-se acessar novas soluções e alternativas, afastando-se os erros.

Não importa qual seja o nosso projeto: esporte, música, uma indústria ou uma loja. Talento e conhecimento não vão bastar para sermos bem sucedidos. Precisamos ser perseverantes. E que possamos nos inspirar em quem fez da perseverança o caminho para o estrelato.

 

 

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄