COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Anormalidades esqueléticas dos membros são problemas nas estruturas dos ossos de pernas e braços, que podem ser afetados por inteiro ou apenas em algumas partes.

Essas anormalidades podem já estar presentes no nascimento (congênitas) ou surgirem durante o desenvolvimento da criança (adquiridas), ocasionada por certas doenças ou ferimentos que atrapalhem o crescimento normal da estrutura óssea.

Tipos
Anormalidades esqueléticas congênitas
Continua depois da publicidade.

Esse tipo de anomalia já está presente no nascimento da criança e pode ser caracterizado por um ou mais problemas nos braços ou nas pernas, dentre eles:

  • Apresentar tamanho maior ou menor do que o normal;
  • Ter mais de cinco dedos em cada mão ou pé;
  • Não ter um dos braços ou pernas;
  • Os dedos não estarem completamente separados uns dos outros.
Anormalidades esqueléticas adquiridas

Esse tipo de anormalidade acontece após o nascimento, quando a criança sofre um trauma ou adquire alguns tipos de doença, como a artrite reumatoide. Quando ela quebra um braço, por exemplo, o osso que foi quebrado pode crescer mais devagar do que o normal, acarretando num desenvolvimento anormal.

Causas

As causas para o desenvolvimento de anormalidades esqueléticas dos membros não são completamente conhecidas, mas acredita-se que as anomalias congênitas estejam ligadas à:

  • Exposição a vírus, medicações ou produtos químicos antes do nascimento;
  • Mãe que fez uso de tabaco durante a gestação;
  • Ter outros filhos com anomalias ou síndromes;
  • Resultado de uma mutação espontânea.

Já as anomalias desenvolvidas estão ligadas à traumas na infância, que resultam em um crescimento ósseo mais lento. Além disso, podem estar ligadas à doenças que afetam a estrutura óssea, como:

  • Raquitismo;
  • Deficiência de vitamina D;
  • Síndrome de Marfam;
  • Síndrome de Down;
  • Artrite reumatoide.
Prevenção

; dos membros aconteçam. Contudo, a detecção precoce pode ajudar no tratamento do problema e minimizar os danos.

Além disso, mulheres grávidas diminuem os riscos do bebê nascer com anormalidades esqueléticas nos membros quando fazem o pré-natal corretamente, o que inclui tomar as vitaminas prescritas pelo médico (com ácido fólico) e evitar o consumo de álcool e tabaco.

Buscando ajuda profissional

No caso de anormalidades esqueléticas congênita o profissional perceberá o problema logo que a criança nascer ou durante os seus primeiros exames.

Contudo, se a criança nasceu sem nenhuma anomalia aparente e após sofrer algum tipo de lesão os pais começarem a achar que o local não está crescendo da mesma forma que os demais ossos, eles devem procurar um profissional. Deve se proceder da mesma forma caso a criança tenha ou não sofrido uma lesão e apresente:

  • Dores no quadril, tornozelos ou costas;
  • Começar a andar de forma estranha, virando os pés ou a perna de forma não usual;
  • Um ombro pareça mais alto ou largo do que o outro;
  • Uma perna ou braço parecer mais curto que o outro.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar tempo. Dessa forma, você já pode chegar ao consultório com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que tenha e medicamentos, vitaminas ou suplementos que tome com regularidade;
  • Caso ainda possua os exames de imagem que foram realizados para diagnosticar a lesão anterior, leve-os.

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes de sair do consultório.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp