Arcoense é investigado na Operação Lava Jato

Arcoense é investigado na Operação Lava Jato

Márcio Faria da Silva, 61, é um dos sete executivos da Odebrecht detidos.Empresa classifica prisões de executivos como ‘desnecessárias e ilegais’.

A cidade de Arcos, no Centro-Oeste de Minas, é a terra natal de um executivos presos pela Polícia Federal na 14ª fase da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de lavagem e desvio de dinheiro envolvendo a Petrobras,empreiteiras e políticos. Márcio Faria da Silva, 61, é um dos sete executivos da construtora Odebrecht presos na sexta-feira (19), em São Paulo.

Ele havia sido citado por delatores da Lava Jato como envolvido no esquema de corrupção na Petrobras. O Ministério Público Federal também o aponta, em denúncia contra a construtora Camargo Corrêa, como um dos líderes do cartel, ao lado de Ricardo Pessoa, dono da UTC. O G1 não conseguiu contato com a defesa de Márcio Faria Silva. Em nota publicada nesta segunda-feira (22), a Odebrecht classificou as prisões de seus executivos como “desnecessárias e ilegais”.

Silva também já havia sido alvo de busca e apreensão durante a sétima fase da Lava Jato, em novembro de 2014. O nome dele também aparece num depoimento à Justiça do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que reconheceu ter recebido dinheiro da Odebrecht.

Netwise

Ele e outros presos foram levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde as investigações do caso são centralizadas. Eles continuam à disposição da Justiça.

Vínculo com a cidade
De acordo com uma moradora de Arcos, que pediu para não ser identificada, a citação de Faria na Laja Jato surpreendeu parentes e amigos. “Ele nasceu e foi criado na cidade, em uma área nobre na região central. Agora, para a surpresa de todos, foi citado na Lava Jato. Alguns irmãos dele têm empresas na cidade. É uma família tradicional”, comentou.

O G1 tentou contato com um irmão de Márcio Faria da Silva, em busca de algum telefone de contato da defesa do diretor. Porém, não conseguiu.

Por: Ricardo Welbert

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄