A importância da agricultura familiar em Lagoa da Prata e Japaraíba

A importância da agricultura familiar em Lagoa da Prata e Japaraíba

O Jornal Cidade conversou com pequenos produtores da agricultura familiar, visitou hortas comunitárias e ouviu representante do poder público para entender melhor a importância né os desafios da agricultura familiar na região

Alan Russel

Na data de 28 de julho é comemorado o dia da agricultura e o Jornal Cidade preparou uma material com o foco voltado à agricultura familiar e aos pequenos produtores de Lagoa da Prata e região. De acordo com o censo agropecuário de 2017 do  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), a agricultura familiar no país é responsável por empregar 10,1 milhões de pessoas e corresponde a 23% da área de todos os estabelecimentos agropecuários. Porém, em Lagoa da Prata, a atuação da agricultura familiar é bem mais modesta, uma vez que a grande maioria das terras cultiváveis estão nas mãos dos grandes latifundiários da monocultura de cana de açúcar.

O órgão municipal responsável por assessorar os pequenos produtores em Lagoa da Prata é a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. O responsável pela pasta é Carlos Henrique Rezende, que também já foi responsável pelo sindicato dos produtores rurais. Carlão disse à reportagem que a maior demanda dos produtores rurais é com relação a maquinário agrícola e que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico consegue, a medida do possível, atender as solicitações dos pequenos produtores.

“A maioria das solicitações dos agricultores é com relação à maquinário e implementos agrícolas. Mas o que complica um pouco é que as solicitações acontecem praticamente na mesma época, até porque o calendário de plantio, principalmente de grãos, é o mesmo para todo mundo. Agora, por exemplo, praticamente não temos solicitações. Mas pouco antes do período chuvoso é que praticamente todos os pequenos produtores precisam do maquinário para preparar a terra para o plantio. Daí a gente se desdobra como pode para atender todo mundo”, explica Carlão.

O Secretário de Desenvolvimento Social salienta também que atualmente os pequenos produtores da agricultura familiar tem a assessoria do técnico da Emater (Empresa Mineira de Assistência Técnica e Extensão Rural) que vem à Lagoa duas vezes por semana para atender a demanda dos pequenos produtores.

“O técnico agrícola da Emater era uma solicitação antiga dos produtores rurais de Lagoa da Prata. A cerca de um ano conseguimos firmar um convênio com o estado para poder ter esse técnico aqui para atender a necessidade dos produtores da agricultura familiar. O técnico vem duas vezes por semana e vai ao campo e da todo o suporte aos produtores. Quem tiver interesse de receber a visita do técnico é só entrar em contato com a Secretária de Desenvolvimento Econômico que agendamos a visita do técnico”, explica Carlão.

Hortas Comunitárias

Netwise

Um exemplo de sucesso relacionado à agricultura familiar em Lagoa da Prata são as hortas comunitárias. Esse modelo de cultivo onde a população divide espaços em comum já existe a muitos anos na cidade. Atualmente, a principal horta se encontra no bairro Marília, onde aproximadamente 25 pessoas plantam diversos tipos de vegetais. E o melhor: sem o uso de agrotóxicos.

Dona Lázara é uma das moradoras do Marília que tem canteiros na horta do bairro, onde cultiva diversos tipos de vegetais, hortaliças e ervas medicinais. Lázara nos conta que há cinco anos vai diariamente à horta e que começou a cultivar como forma de terapia ocupacional.

“Eu fazia terapia na Casa da Família, mas infelizmente o espaço fechou. Nisso, uma amiga que tinha um espaço de terra aqui me convidou para conhecer. Eu vim, consegui um espaço e acabou que a horta virou minha paixão. Eu venho aqui diariamente cuidar das minhas plantinhas e funciona como uma terapia pra mim”, confessa Dona Lázara.

O benefícios da horta comunitária se estendem à toda comunidade. A jovem Vitória Campos, que também é moradora do bairro Marília, disse que os alimentos advindos da horta comunitária estão sendo de grande valia para ela no momento. Vitória recentemente decidiu mudar os hábitos alimentares e, segundo ela, se não fosse a horta comunitária, a transição alimentar seria muito mais difícil.

“Há alguns meses eu decidi mudar minha alimentação, deixei de comer carne e a horta está sendo essencial neste processo. Aqui eu consigo muitas variedades de verduras, legumes, hortaliças e tudo com preço bem acessível, e o melhor: sem agrotóxicos. Venho aqui pelo menos três vezes por semana. E além de me ajudar com uma melhor alimentação, eu fiz amigos aqui na horta”, confessa Vitória.

“A dona Lázara mesmo é uma pessoa que eu considero como amiga. Sempre que venho aqui procuro conversar e aprender muita coisa com ela. Essa senhora é um poço de sabedoria. E não apenas ela mas a grande maioria das pessoas que cultivam aqui na horta. Já deu pra perceber que aqui todos são amigos, existe uma troca muito grande de saberes estre as pessoas que tem os canteiros aqui. E eu acho isso muito bonito. A dona Lázara mesmo, ela cultiva diversos ervas medicinais. E um detalhe: ela não cobra nada por essas ervas medicinais. Se qualquer pessoa tiver necessitando de alguma erva específica para um chá ou um tratamento específico, pode vir aqui que ela não cobra de ninguém. Eu acho isso muito bonito”, finaliza Vitória.

Feiras dos produtores rurais

Foto: (Alan Russel/Jornal Cidade)

Um espaço importante para a comercialização dos produtores advindos da agricultura familiar são as feiras dos produtores rurais. Em Lagoa da Prata e Japaraíba existem espaços específicos para os produtores exporem e comercializarem os produtos. A feira de Lagoa da Prata, que antes acontecia na rodoviária municipal, recentemente ganhou um espaço maior e agora funciona na Praça de Eventos. A feira tem sido um sucesso, porém, anda preocupando as autoridades médicas, uma vez que está havendo muita aglomeração de pessoas durante a feira.

Em Japaraíba, a feira que era sucesso e trazia pessoas de toda região para comprar os produtos advindos da agricultura familiar, deixou de acontecer desde o início da pandemia. Enilda Fernandes é de Japaraiba e expõe na feira da pequena cidade desde o início da projeto. Enilda explica que a paralisação da feira não atrapalhou suas vendas porque ela já tinha o costume de fazer entrega dos produtos diretamente na casa dos clientes, mas mesmo assim fica triste com a situação, porque a feira já tinha se tornado referência na cidade. A produtora também explica que a grande maioria dos expositores fazem uma avaliação muito positiva da feira, mas que poderia ser ainda melhor.

“Falta um pouco mais de boa vontade da gestão pública com relação ao espaço, principalmente porque o espaço ainda não é coberto e em períodos chuvosos muito feirantes deixam de ir. Mas fora isso a feira é muito boa, tem uma participação grande de moradores de Japaraíba, Lagoa da Prata e Arcos. A feira meio que se tornou um ponto turístico de Japaraíba e isso nos orgulha muito”, explica Enilda

Os interessados em adquirir um espaço tanto nas hortas comunitárias ou para expor na feira de produtores rurais de Lagoa da Prata devem procurar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. A Secretaria fica na rua Benedito Valadares 331, de frente ao prédio da Rádio Tropical. Para mais informações os interessados podem ligar no telefone 3261-2991.

 

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄