fbpx

Dia do chocolate: Nutricionista tira dúvidas sobre o alimento que é querido no mundo todo

Chocolate faz bem para a saúde? Quem não deve consumí-lo? Qual a porção recomendada por dia? Para responder estas e outras perguntas, o Jornal Cidade conversou com Aline Menezes, nutricionista com anos de experiência na área.

Adorado por muitos, o chocolate faz sucesso em todas as épocas do ano. De fato, algumas pessoas, por gostarem tanto desta sobremesa – que foi descoberta há cerca de 4 mil anos- se consideram “chocólatras”, ou seja, são “viciadas” em chocolate.

O alimento é tão importante para a história, cultura e economia que, nesta quinta-feira (7), é celebrado mundialmente o seu dia. Porém, nesta história, nem tudo é doce. Embora o chocolate seja um “queridinho” atemporal, muitas são as dúvidas a respeito de seus impactos no organismo, como quem não pode, de jeito nenhum, consumí-lo, qual a versão menos calórica e qual a quantidade recomendada por dia.

Pensando nisso, o Jornal Cidade entrou em contato com a nutricionista Aline Menezes, que possui anos de experiência na área, para esclarecer as principais questões que podem surgir a respeito do chocolate.

Jornal Cidade: Chocolate faz bem para a saúde?
Aline Menezes: Primeiro, devemos partir do princípio de que tudo, absolutamente tudo em excesso faz mal. Mas o consumo moderado de chocolate, além de deixar o humor da gente melhor, melhora o fluxo arterial. Seu alto poder hidratante torna-o queridinho também no setor estético. Contribui para a saúde cerebral, reduzindo danos de acidente vascular cerebral. Reduz o estresse e alivia dores. Mas em compensação, se comer muito, principalmente os mais ricos em açúcares, o prejuízo é grande, como por exemplo, a diabetes.

Jornal Cidade: Qual a quantidade recomendada por dia?
Aline Menezes: Segundo o Ministério de Saúde, a quantidade é de apenas 30 gramas. Pode parecer pouco, mas é o ideal para que os seus reais benefícios venham à tona.

Jornal Cidade: Diabéticos podem consumir chocolate?
Aline Menezes: O indicado é que a pessoa com diabetes consuma pequenas porções, no máximo 30 gramas, o que equivale a dois quadradinhos de uma barra de chocolate. A dica é dividir o chocolate em pequenas porções e reservá-las em algum local ou no papel alumínio para ser consumido de vez em quando. Vale ressaltar que mesmo com as versões diet, é importante que o paciente consuma pequenas porções, pois apesar de não conter açúcar, o chocolate pode ter muita gordura.

Jornal Cidade: Qual versão é menos calórica?
Aline Menezes: O chocolate ao leite é o menos aconselhável, pois é o que contém mais quantidade de calorias e menos percentagem de cacau, o que o torna menos saudável e menos recomendado. O ideal para fazer parte da sua dieta é o chocolate amargo que contém mais cacau na sua composição e menos açúcares.

Jornal Cidade: Por que, ao comê-lo, sentimos melhora de humor e alívio no estresse?
Aline Menezes: Quando consumimos chocolate é notável rapidamente a sensação de felicidade, e isso tem fundamento. É que o consumo dele aumenta a produção de endorfina e dopamina, o que causa o relaxamento.

Jornal Cidade: Chocolate pode mesmo causar dependência?
Aline Menezes: Aí a gente fala mais do açúcar que pode conter na escolha do chocolate a ser consumido do que propriamente dito no chocolate. Porém, temos que avaliar, pois temos registros de que quando um paciente busca demais um tipo de alimento pode indicar deficiência de alguma vitamina. No caso do chocolate, talvez o magnésio. Mas é necessário fazer uma consulta e exames, cada pessoa é única.  

Jornal Cidade: Quem não deve comer chocolate de jeito nenhum?
Aline Menezes: A não ser que a pessoa tenha alguma intolerância a algum componente, ninguém deve deixar de comer chocolate. Mas ser seletivo na qualidade do que consome, optar por versões mais saudáveis e, obviamente, ficar de olho na quantidade. É o excesso que faz mal.

Jornal Cidade: O que você diria aos familiares e responsáveis que insistem em oferecer exageradamente doces às crianças?
Aline Menezes: O primeiro passo é o adulto entender os motivos pelos quais o doce deve ser evitado por adultos. Tendo essa consciência entenderão os malefícios para quem ainda está aprendendo a comer. Viciando o paladar das crianças com doces, refrigerantes, balas, entre outros, fará com que elas rejeitem alimentos saudáveis, sem contar que eleva o risco de terem doenças crônicas mais cedo como diabetes, obesidade, hipertensão e problemas cardiovasculares, que são as doenças que mais matam no Brasil e demais países em desenvolvimento. Então, acredito que falta mais entendimentos dos adultos, pois as crianças não sentem falta do que não conhecem. E se a gente ama nossas crianças e sabemos que o açúcar traz tantos malefícios, qual o motivo de entupi-las com alimentos ricos nesse componente?  

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄