COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Caminhão com carga foi roubado de empresa de Arcos em maio. Primeira parte da carga roubada foi apreendida em junho em um sítio.

 

 

Continua depois da publicidade.

A Polícia Civil identificou nesta quinta-feira (10/07) a vítima do roubo de aproximadamente 1.200 litros de gasolina, que foi apreendido no dia 25 de junho em um sítio localizado entre Ubá e Astolfo Dutra, e ainda recuperou mais uma parcela da carga roubada. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Rafael Gomes de Oliveira, o material recuperado nesta quinta-feira está avaliado em aproximadamente R$ 50 mil reais.

A vítima do crime de roubo é uma empresa localizada na cidade de Arcos. O caminhão com a carga foi roubado no dia 30 de maio e, no dia 7 de julho, o veículo foi localizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Congonhas, já com a placa clonada. A primeira parte da carga foi encontrada em um sítio, onde nós prendemos também um empresário responsável pela receptação. Ontem (10/07) ele ‘entregou’ a outra parte do material, que se trata de óleo

“A vítima do crime de roubo é uma empresa localizada na cidade de Arcos. O caminhão com a carga foi roubado no dia 30 de maio e, no dia 7 de julho, o veículo foi localizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Congonhas, já com a placa clonada. A primeira parte da carga foi encontrada em um sítio, onde nós prendemos também um empresário responsável pela receptação. Ontem (10/07) ele ‘entregou’ a outra parte do material, que se trata de óleo”, explicou o delegado. O empresário suspeito de ser o receptador do material estava no presídio de Ubá e foi à delegacia para ser ouvido. Durante o depoimento, pediu ao advogado que alugasse um caminhão e levasse o restante da carga roubada para o local. Agora, a Polícia Civil segue com as investigações para chegar aos outros suspeitos do roubo.

O  empresário já havia sido preso em 2013 na Operação “Franciscanos”, na qual foi recuperada uma carga avaliada em mais de R$ 200 mil. De acordo com Rafael Gomes de Oliveira, o suspeito havia saído do presídio em março deste ano. O delegado informou, ainda, que ele tem um posto de combustíveis na cidade e responde a receptação qualificada de combustíveis, de materiais de construção e de um veículo clonado.

 

Fonte: G1

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp