COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.
Paulo de Castro recebeu uma Moção de Aplauso do vereador Di-Gianne Nunes

Era primeiro de janeiro de 1941, quando o jovem Paulo de Castro apresentou-se voluntariamente ao quartel, em São João Del Rey, para defender os interesses brasileiros na Segunda Guerra Mundial. O presidente Getúlio Vargas decidiu entrar na guerra depois que o navio Baependi foi torpedeado pelos alemães.

Os “pracinhas”, como eram chamados os combatentes brasileiros, chegaram na Itália num clima muito frio. Alimentavam-se de arroz e feijão. Não possuíam uniformes e tinham à disposição armamentos que foram usados em 1908. A missão de Paulo de Castro era levar munições e mantimentos aos soldados no front, recolher mortos e feridos.

Deixamos aqui nossa gratidão ao empenho prestado pelo ex-combatente Paulo de Castro, que representa todos os ex-combatentes do Município de Lagoa da Prata, sendo merecedores do carinho e respeito de todos

Continua depois da publicidade.

Na sessão ordinária da Câmara Municipal de Lagoa da Prata realizada no dia 22, o ex-combatente recebeu uma Moção de Aplauso, de autoria do vereador e professor de história Di-Gianne Nunes. “Após a guerra, os combatentes que já haviam servido ao Exército foram bem recebidos no Rio de Janeiro. Mas a maioria foi abandonada na capital do país, sem dinheiro para se alimentar ou voltar para as suas cidades. Não houve amparo por parte do governo. Deste modo, deixamos aqui nossa gratidão ao empenho prestado pelo ex-combatente Paulo de Castro, que representa todos os ex-combatentes do Município de Lagoa da Prata, sendo merecedores do carinho e respeito de todos. Por isso merece o nosso reconhecimento”, afirmou o vereador.

Paulo de Castro foi casado com Alexandrina Bernardes, já falecida. É pai de Tânia, Cláudia, Paulo Roberto e Leonardo de Castro.

 Por: Juliano Rossi

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp