COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

O método Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) foi criado em 1974 por Mário Ottoboni, que é advogado, mas que deixou a profissão de lado para dar assistência a presos e aos pobres, principalmente da população prisional. Fundada há oito anos, a Apac de Lagoa da Prata possui 152 recuperandos. “O método realmente funciona. O trabalho da Apac dispõe de um método de valorização humana vinculada à evangelização, para oferecer ao condenado condições de recuperar-se”, afirmaram o presidente Francisco José de Miranda e o diretor adjunto Carlos Roberto Aparecido Ramos.

Diretor adjunto Carlos Roberto Aparecido Ramos.
Diretor adjunto Carlos Roberto
Aparecido Ramos.
Mário Ottoboni e o presidente da Apac Francisco José de Miranda
Mário Ottoboni e o presidente da Apac Francisco José de Miranda

Segundo o recuperando Flávio Rodrigues de Oliveira, de 30 anos, que está na Apac desde agosto de 2011, o método deu a ele ferramentas para a sua reeducação. Atualmente ele faz um curso superior à distância de Administração. A disciplina aqui é fundamental. Fazemos um exame toxicológico para atestar que ninguém faz uso de drogas aqui dentro. A pessoa que não demonstra uma vontade de mudar de vida não permanece na Apac. Meu maior projeto ao sair daqui é montar um negócio na área de bicicleta com o meu irmão”, afirmou.

Flávio Rodrigues de Oliveira, 30 anos, na Apac desde agosto de 2011.
Flávio Rodrigues de Oliveira, 30 anos, na
Apac desde agosto de 2011.
Continua depois da publicidade.

A principal diferença entre a Apac e o sistema carcerário comum é que, na Apac, os presos (chamados de recuperandos) são corresponsáveis pela recuperação deles, além de receberem assistência espiritual, médica, psicológica e jurídica prestadas pela comunidade. A segurança e a disciplina são feitas com a colaboração dos recuperandos, tendo como suporte funcionários, voluntários e diretores das entidades, sem a presença de policiais e agentes penitenciários.

Com o objetivo de oferecer cursos profissionalizantes para os recuperandos, a Apac investe em parcerias. “Hoje oferecemos para eles cursos de padeiro, laborterapias, montagem de bicicletas e rodas, e outros cursos que o Senai manda como panificação, confeitaria e logo mais, fecharemos, se tudo der certo, um curso intensivo de mecânica, em parceria com a Fiat. Além disso, oferecemos ensino escolar desde alfabetização até graduação, como é o caso de três recuperandos que hoje fazem faculdade à distância”, destacaram Beto e Quito.

A reportagem do Jornal Cidade visitou a Apac de Lagoa da Prata e, acompanhada pelo presidente Francisco José de Miranda, pelo diretor adjunto Carlos Roberto Ramos e pelo encarregado de segurança Anderson Rodrigues conheceu o local.

MONTAGEM DE BICICLETAS

A fabricante de bicicletas Braciclo transferiu praticamente todas as suas operações de montagem para a Apac de Lagoa da Prata. Nessa espécie de filial, os quadros soldados e pintados vão ganhando partes e componentes pelas mãos de condenados, que entregam cerca de 3 mil bicicletas por mês. Atualmente, os recuperandos são responsáveis pela montagem de 70% das unidades completas e de 90% das rodas da indústria. O gerente de produção da Braciclo, André de Souza Machado, diz que a dedicação e a competência demonstradas pelos recuperandos no começo da parceria, quando havia apenas a montagem de rodas, encorajaram a empresa a aumentar a participação da linha de trabalho instalada na Apac. “Posso dizer que me surpreendi muito com o trabalho prestado, tanto em quantidade como principalmente na qualidade. Na empresa trabalha um recuperando que, devido ao bom trabalho prestado enquanto esteve privado de liberdade, recebeu a oportunidade da empresa. Já são 5 meses de trabalho prestado e até o momento tem sido muito positivo”, explica André.

Recuperandos participam da montagem de 3 mil bicicletas por mês.
Recuperandos participam da montagem de 3 mil bicicletas por mês.

A aposta da empresa foi favorecida por uma circunstância inesperada. Um ex-funcionário, Flávio Rodrigues de Oliveira, foi condenado à prisão e admitido na Apac para cumprir pena. Pelos bons serviços prestados à Braciclo quando estava em liberdade, recebeu a missão de liderar os demais recuperandos na linha de montagem. Flávio diz que assumiu a tarefa com senso de responsabilidade maior do que quando era uma pessoa livre. Ele observa que, para um ex-preso, é muito mais difícil conseguir vaga no mercado de trabalho. “Além de ficar atento às metas, ensino todo o serviço. Tenho que corresponder à confiança, mas tem sido tranquilo porque o pessoal aqui aprende rapidinho”, conta.

PARCERIA COM BIOSEV

Parceiros desde 2009, a Biosev doou em dezembro de 2014 os equipamentos da padaria da APAC. No espaço, os recuperandos têm a oportunidade de aprender uma nova profissão, o que contribui para a reinserção no mercado de trabalho e na sociedade. A empresa doou batedeira industrial, cilindro para massa, compressor de ar, divisora de massa, embaladeira de leite, forno elétrico industrial, freezer horizontal e pasteurizador.

Com isso, os pães produzidos na padaria da APAC são vendidos para empresas, como a própria Biosev, e para órgãos públicos, como a Prefeitura de Lagoa da Prata. Toda a renda é destinada aos trabalhos de recuperação da associação. “Neste ano, a Biosev comemora 15 anos de presença em Lagoa da Prata, e o apoio à atividade realizada pela Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) é uma das iniciativas que reforçam a ligação da empresa com a comunidade local. Para a empresa, a entidade proporciona uma importante oportunidade de ressocialização para os detentos, por meio de uma série de atividades, como a produção de pães, feitos a partir de equipamento doados pela usina”, destacou a nota enviada pela empresa ao Jornal Cidade.

Pães produzidos na Apac são vendidos para a Prefeitura, Biosev e outras empresas da cidade. Na foto o recuperando André Bergamasco
Pães produzidos na Apac são vendidos para a Prefeitura, Biosev e outras empresas
da cidade. Na foto o recuperando André Bergamasco

A padaria da Apac produz pão de sal, pão de doce, pão para cachorro quente e salgados. As encomendas podem ser feitas pelo telefone 3261-6787.

PARCERIA COM A PREFEITURA

Em parceria com o setor de habitação da Prefeitura Municipal de Lagoa da Prata, os recuperandos atuam como pedreiros, bombeiros hidráulicos, carpinteiros e pintores em construções e reformas de casas para pessoas carentes. A coordenadora do projeto, Emília Mesquita, diz que o emprego dos recuperandos é visto de forma muito positiva pela população de Lagoa da Prata. Ela acrescenta que a Prefeitura também está satisfeita, uma vez que a qualidade da mão de obra é inquestionável. “Esses jovens participam, juntos com técnicos e engenheiros, das decisões sobre o que deve ser feito nas residências selecionadas”, observa Emília.

Recuperandos trabalham na reforma e construção de casas para famílias carentes.
Recuperandos trabalham na reforma e construção de casas para famílias carentes.

No mês de junho, dois recuperandos ajudaram na organização da biblioteca pública Coronel José Vital. Segundo a bibliotecária Fátima César, foi uma excelente experiência. “Eles são muito respeitadores, educados, trabalharam mesmo e demonstraram uma grande vontade de mudar de vida. Foi uma experiência muito válida e incrível, tanto para nós quanto para eles. Eles sentem que as pessoas vão ter medo no primeiro contato e as pessoas precisam dar uma chance”.

A organização e mudança da biblioteca pública contou com o apoio de recuperandos
A organização e mudança da biblioteca pública contou
com o apoio de recuperandos

PARCERIA COM EMBARÉ

Nos processos produtivos da Embaré são gerados diariamente vários tipos de resíduos recicláveis como plásticos, papéis, paletes de madeira, entre outros. A Embaré, que tem seu Sistema de Gestão Ambiental certificado na ABNT NBR ISO 14001, destina esses resíduos para várias entidades de Lagoa da Prata, com o objetivo de reciclar. Esse trabalho, além de tratar corretamente os resíduos, possibilita a geração de renda para essas entidades. “No caso da APAC, a parceria iniciou-se em março de 2014. Desde então, a empresa envia à entidade, semanalmente, paletes de madeira que, após reforma efetuada pelos recuperandos, são devolvidos à Embaré. Pelo trabalho, a empresa remunera a APAC com determinada importância por unidade de paletes reformados, através de nota fiscal de prestação de serviços. De março de 2014 até o mês de julho de 2016, a Embaré enviou para a Apac, uma média de 1.000 paletes por mês”, afirmou o gerente da Divisão Suprimentos Embaré, José Henrique da Silva.

Alisson Silva ajuda na recuperação dos paletes utilizados pela Embaré
Alisson Silva ajuda na recuperação dos paletes utilizados pela Embaré

Para a Embaré essa parceria é de extrema importância. “São vários os motivos, como qualidade do trabalho prestado, regularidade na retirada dos paletes na Embaré, menor tempo de retorno  dos paletes reformados à empresa e reaproveitamento do resíduo de paletes.  Acreditamos que a importância desse trabalho para a empresa e preservação do meio ambiente, possibilita aos recuperandos, mesmo reclusos, sentirem-se integrados  à sociedade”, frisou.

PARCERIA COM INDÚSTRIA DE BRINQUEDOS

“Temos a parceria há um ano e os recuperandos produzem 3 mil andadores por mês. Para nós, é muito gratificante contar com o apoio da HCM Indústria de Brinquedo e esperamos que cada vez mais as empresas possam vir conhecer o trabalho que é feito aqui e entender que as pessoas merecem chances”, afirmou o diretor da Apac.

Na Apac também são montados 3 mil andadores infantis todos os meses
Na Apac também são montados 3 mil andadores infantis
todos os meses

COM A PALAVRA, OS RECUPERANDOS

40“Eu desperdicei a minha vida, larguei tudo para me envolver com o crime e hoje a Apac vem me devolvendo a chance de cuidar da minha filha, trabalhar, estudar e estar com a minha família. Inclusive, estou fazendo faculdade de administração. Quando eu cheguei aqui não tinha intenção nenhuma de mudar de vida, só queria cumprir a pena mais rápido e sair para cometer crime. Meu objetivo é ter uma vida feliz sem fazer nada de errado” – Felipe Morais Rodrigues, 27 anos, na Apac desde janeiro de 2011.

43

“Estou na Apac há mais de 2 anos e de lá pra cá eu mudei muito a visão das coisas. Apesar de ter cometido um crime, eu só pensava em trabalhar e não tinha tempo para ficar com minha família. Isso eu quero fazer um pouco diferente quando sair. Cheguei aqui somente com a quarta série e hoje já estou na nona e pretendo continuar. Temos também um belo trabalho de evangelização, e isso faz muita diferença” – Jimar Calixto Pedro, 45 anos, na Apac desde novembro de 2014.

42

“A Apac mudou tudo na minha vida, inclusive o meu jeito de pensar. Antes eu pensava em ganhar dinheiro fácil, mas quando fui preso vi a realidade da coisa. Na cadeia a gente sofre demais e quando vamos para a Apac temos uma proposta de vida. Eles nos mostram o caminho certo e trabalham a nossa essência. Eu nunca tinha trabalhado antes de vir para a Apac e vi que isso é importante para o ser humano. No ano que vem eu me formo e também, se Deus quiser, vou fazer uma faculdade” – Márcio Júnior Cleidio do Amaral, 22 anos,  na Apac desde junho de 2015.

 41

“A Apac tem um sistema totalmente inverso ao que é aplicado em um sistema prisional comum. Aqui eu tenho total dignidade e respeito para cumprir a minha pena. Além disso, aqui não tenho que passar por nenhum constrangimento e nem a minha visita passa por humilhação. No sistema comum eu seria chamado pelo número, e aqui sou chamado pelo meu nome. Aqui eu resgatei os meus valores morais e éticos para ter total acesso à sociedade novamente. Queremos quebrar o preconceito das pessoas e mostrar que o sistema funciona”  – Thiago Cunha Brito, 37 anos,  na Apac desde novembro de 2015.

 

 

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp