COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Empresa de Lagoa da Prata é a única da região Centro-Oeste que conseguiu a suspensão na Justiça. Custo para tirar a carteira de habilitação pode cair de 20% a 30%

A Autoescola Central, de Lagoa da Prata, é uma das 7 empresas em Minas Gerais que obtiveram na Justiça Federal uma liminar que suspende o uso de simulador de direção veicular. Com isso, o custo para tirar a carteira nacional de habilitação (CNH) poderá ser reduzido em até 20%, já que a lei existe que das 25 horas aulas mínimas obrigatórias, cinco deverão ser ministradas no equipamento.

Continua depois da publicidade.

O diretor da Autoescola Central, Gabriel Miranda, comemora a decisão e comenta sobre a briga na Justiça para obter a liminar. “Um grupo formado por autoescolas do Distrito Federal e dos estados de Goiás, Minas Gerais e Paraná entrou com
uma ação coletiva. Somos a única empresa da região Centro-Oeste de Minas nessa ação coletiva, que foi desmembrada como uma ação individual. O juiz decidiu que até que se julguem todas as mais de 800 ações contra o uso do simulador, nós estamos livres da obrigatoriedade do uso do equipamento”, disse.

Miranda critica o custo elevado do aparelho e coloca em dúvida a sua eficácia. “O simulador não ensina nada. É uma forma de arrecadar dinheiro. É um
retrocesso no processo de aprendizagem do aluno. Só existem duas empresas no Brasil que fabricam os simuladores, e elas estão ligadas a políticos do alto escalão. O simulador custa mais de R$ 40 mil para as autoescolas. É claro que esse custo seria repassado para os alunos. No nosso caso, que já tínhamos o menor preço do mercado, nossos alunos ainda terão mais facilidade em obter a CNH, já que o preço final será reduzido em até 20%”, afirma o diretor.

HEGEMONIA DA AUTOESCOLA CENTRAL
A Autoescola Central foi eleita em 2016 como a melhor empresa do segmento em Lagoa da Prata pelos dois principais prêmios: o “100 Melhores Empresas”, realizado pela ACE/CDL e o “Destak Empresarial”, promovido pelo publicitário Alexandro Silva. Pelo terceiro ano consecutivo a Central vendo tendo a preferência da opinião
pública.

Gabriel Miranda, diretor da Autoescola Central
Gabriel Miranda, diretor da Autoescola Central

A força da empresa pôde ser auferida durante a banca examinadora do Detran, que esteve em Lagoa da Prata no dia 15 de julho. A Autoescola Central levou 60% dos alunos que fizeram o exame de carro, 90% de carreta, 80% de ônibus e 70% de legislação. “Isso é resultado de um trabalho bem feito e reconhecimento pelas pessoas. Não somos perfeitos. Também falhamos, mas sempre no intuito de acertar e oferecer o melhor serviço pelo menor preço para o aluno. Essa expressiva marca de preencher cerca de 80% de todas as vagas disponíveis na banca examinadora demonstrou a nossa força e a nossa capacidade”, diz Miranda.

O diretor explica que o segredo da empresa é oferecer um trabalho diferenciado aos clientes. “Não fazemos o comum que as pessoas estão habituadas a encontrar. O nosso diferencial é que acompanhamos o aluno do início ao fim. Não cobramos o serviço de emissão de taxas. Oferecemos várias formas de pagamento. Respondemos às críticas de nossos concorrentes
com muito trabalho e inovação. Por isso fomos eleitos com quase 60% dos votos da opinião pública no prêmio da ACE/CDL”, comemora Gabriel Miranda.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp