COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Quelli teria negado ao vereador acesso imediato a um documento relacionado à reforma da sede da Câmara

O vereador Adriano Moreira/PDT esteve hoje pela manhã na redação do Jornal Cidade e criticou a decisão da presidente da Câmara, vereadora Quelli Couto, que, segundo ele, exigiu o prazo de 20 dias para entregar uma cópia de um documento relacionado ao processo licitatório para a contratação da empresa que irá reformar o prédio do Legislativo. O documento em questão é a Portaria 3 de 2007, que também foi solicitada pelo departamento jurídico do Executivo.

“Essa portaria é sobre a reforma da Câmara. Achei estranho, porque quando a presidente fez o processo licitatório, toda a Mesa Diretora a abandonou. Se um vereador não tem acesso aos documentos da casa em que atua, como vamos investigar as entidades e a Prefeitura, sendo que não temos acesso nem aos documentos da própria casa? O vereador não ter acesso ao que a Câmara compra, ao que licita, é muito frustrante”, reclamou Moreira.

Continua depois da publicidade.

O parlamentar está em sua segunda legislatura e acrescenta que nem quando dois militares ocuparam a presidência da casa (Cabo Neto e Sargento Nunes) havia tanta dificuldade em obter documentos no Legislativo municipal.

“Todos os presidentes entregavam as documentações que pedíamos em questão de minutos. A gente tinha acesso quase imediatamente. Agora vou ter que esperar 20 dias. O que está acontecendo? O que a presidente está escondendo da população?”, questiona o vereador.

Moreira voltou a criticar a reforma da Câmara que a presidente deu início sem a aprovação da maioria dos vereadores. “O país passa por um período recessivo, falta dinheiro para tudo, para moradias, para pavimentação. Como mostrou a Operação Lava Jato, temos que abrir o olho e investigar para que não ocorra em Lagoa da Prata”, finalizou Adriano.

O Jornal Cidade tentou falar com a presidente Quelli. A reportagem ligou inúmeras vezes para a Câmara, mas ninguém atendeu as ligações. Uma cidadã também reclamou na internet que não conseguiu falar, pelo telefone, com a atendente do Legislativo municipal.

O espaço do Jornal Cidade está aberto caso a presidente Quelli queira se pronunciar.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp