Wilmar Filho renuncia e Dinho do Braz é o novo Prefeito de Santo Antônio do Monte

Wilmar Filho renuncia e Dinho do Braz é o novo Prefeito de Santo Antônio do Monte

Fato inédito na história política da cidade, Wilmar de Oliveira filho apresentou a carta de renúncia ao presidente da Câmara

O prefeito de Santo Antônio do Monte, Wilmar de Oliveira Filho/PSDB, renunciou ao cargo na última segunda-feira. Uma carta de renúncia foi encaminhada ao presidente da Câmara Municipal, Martim Rodrigues dos Santos, e apresentada na última sessão legislativa, às 20h do mesmo dia. A decisão foi tomada momentos antes, às 19h, após uma reunião do prefeito com os secretários de governo.

Wilmar Filho ocupou o cargo de chefe do Executivo durante dois anos e quatro meses, no terceiro mandato não consecutivo. Na carta enviada ao Legislativo, ele comunicou sua decisão irrevogável de se afastar em definitivo da função, alegando ser um pedido da família.

wilmar-filho
Foto: Asscom/PMSAM

O ex-prefeito tem 59 anos, é médico clínico geral e atende na Fundação Dr. José Maria dos Mares Guia. Já ocupou o cargo de secretário de Estado da Saúde e é ex-presidente da Superintendência Regional da Saúde e fundador do primeiro Consórcio Intermunicipal de Saúde em Minas Gerais. Este foi seu terceiro mandato na prefeitura – o primeiro foi entre 1993 e 1996 e o segundo de 2001 a 2004.

Leia a íntegra da carta enviada pelo prefeito à Câmara: 

“Após reflexão amadurecida e submetendo-me ao apelo familiar irrecorrível, venho nessa oportunidade, na condição de Prefeito de Santo Antônio Do Monte, eleito no pleito de 2012, dar conhecimento aos poderes constituídos deste Município, de forma especial, à Câmara de Vereadores e à nossa população, da minha decisão irrevogável de afastar em definitivo do cargo de Prefeito Municipal.

Tenho a consciência tranquila de minha dedicação e de meus sacrifícios para atender da melhor forma esta terra e seu povo. Agradeço efusivamente a distinção e o apreço que recebi da população, dos servidores municipais e dos íntegros representantes dos poderes: Legislativo e Judiciário no período que estive no exercício de tão nobre função pública.

Registre, pois, Vossa Excelência a decisão tomada, em cumprimento ao disposto na Lei Orgânica de Santo Antônio do Monte, comunicando-a aos demais pares da Câmara Municipal, afim de dar posse no cargo ora vago ao Excelentíssimo Senhor Vice-Prefeito Edmilson Aparecido da Costa, a quem rogo à Deus, que tenha pleno sucesso em suas funções.

Com respeito, subscrevo-me, atenciosamente,
Wilmar de Oliveira Filho”

Vice Dinho do Braz assume o cargo de prefeito

O vice-prefeito Edmilson Aparecido da Costa/PSDB, conhecido na cidade como Dinho do Braz, assumiu o cargo de chefe do Executivo em cerimônia realizada na última terça-feira, na Câmara Municipal. Ele é advogado, tem 38 anos e foi vereador por dois mandatos consecutivos, de 2005 a 2012. Em seu discurso de posse, o novo prefeito afirmou que medidas impopulares serão tomadas nessa nova gestão. “Hoje a nossa administração está relativamente controlada, mas encontra-se com algumas despesas que a gente tem que eliminar. Algumas medidas drásticas e até impopulares serão tomadas, mas em momento algum irá atingir a coletividade. A minha administração será voltada para a coletividade e não para interesse particular. Santo Antônio do Monte não precisa se preocupar, pois o que é certo é certo e o que é errado é errado. Em 2016 quero entregar a administração juntamente com os vereadores sem qualquer problema. Estarei na administração até 2016 e isso vai passar, mas as responsabilidades devem ir até o fim. Neste momento a vida requer de mim coragem. Busco inspiração no Dr. Wilmar Filho, que considero meu pai na vida política. Reconheço as razões que o levaram a afastar da vida política. Desejo que ele encontre paz e serenidade junto à sua família, coisa que ele não teve durante estes dois anos de mandato. O nosso slogan que era “Por amor e respeito a Santo Antônio do Monte” está mudando hoje para “Santo Antônio do Monte, uma cidade de todos’”, finaliza o prefeito.

Vereador Luis Resende liga renúncia à “oposição irresponsável”

Em seu pronunciamento durante a sessão da Câmara, o vereador Luis Resende atribuiu a renúncia ao que ele chamou de “oposição irresponsável”. “Nós não podemos é ter outro mandato em que o prefeito, por causa de uma oposição que parece que quer o poder de qualquer maneira, vir aqui nessa casa e entregar o cargo. Aí Santo Antônio do Monte não terá pessoas de bem para comandar. O cara perde a vontade de trabalhar. Tem que ter oposição sim. Mas não pode ser cretina e irresponsável. O Wilmar não teve paz. Isso não é justo. Ninguém sabe da prefeitura de Santo Antônio mais do que eu. Nenhum prefeito passou tanta humilhação e oposição irresponsável como o Wilmar passou. Tem que ter oposição progressista. Ficamos tristes, porque é um líder, cidadão de bem, honesto, grande político, grande prefeito, ele fez muito pela cidade”, desabafou Resende.

Luis Resende
Vereador Luis Resende

A administração municipal, e principalmente o prefeito Wilmar Filho, vinham sofrendo desde o início do mandato uma grande pressão nas redes sociais, entre críticas, cobranças e insultos. Todos os vereadores se pronunciaram sobre a renúncia do prefeito. Carlos Campinho, um dos líderes da oposição, falou do respeito que tem pelo ex-prefeito. “Quero desejar a ele boa sorte em sua caminhada. Estou aqui para fazer um trabalho de oposição responsável. Dr. Wilmar sempre me respeitou e sempre o respeitei, sempre questionei, sempre cobrei e sempre fiscalizei. O novo prefeito vai ser bem vindo, vai ser respeitado por mim e pela casa. Mas vai ser cobrado da mesma forma como fiz uma oposição responsável ao Dr. Wilmar. Estive com o Dr. Wilmar há duas semanas. A gente sabe que a sua saúde está abalada. Ele pediu que fizéssemos orações para ele. Quem conhece o meu coração sabe que não tenho inimigo. Que Deus o abençoe”, disse Campinho.

 

De acordo com Luis, falta dinheiro para administrar. Será?

Em 28 meses de governo, a administração municipal de Santo Antônio do Monte enfrentou várias dificuldades financeiras e de gestão, como a UPA, construída no mandato anterior e que até hoje não foi inaugurada, tomada de empréstimo bancário para quitar repasses em atraso do fundo de previdência dos servidores municipais (FAAS), atraso no pagamento de fornecedores, entre outros. O vereador Luis Resende, em seu pronunciamento, defendeu a administração de Wilmar Filho e disse que a prefeitura da cidade não tem dinheiro para investir. “Não está fácil ser prefeito, não! Não tem mágico não! Não tem administrador que passou aqui que faça a prefeitura funcionar com os recursos que tem. Eu aposto que não funciona. O prefeito cortou tudo o que podia cortar. Tinha que sair mesmo, tem que renunciar. Não tem dinheiro. Não tem como a máquina funcionar”, desabafou.

wilmar_samonte_tabela01

Netwise

Os números disponibilizados pelo portal Minas Transparente (www.minastransparente.tce.mg.gov.br), do Tribunal de Contas de Minas Gerais,
contradizem a afirmação do vereador e do governo, de que o município está sem dinheiro. Santo Antônio do Monte obteve de receitas, no exercício de 2014, o total de R$ 70.782.251,00. É como se tivesse entrado nos cofres públicos o equivalente a R$ 2.568,66 por cada habitante. O governo do ex-prefeito Wilmar Filho teve à disposição para gerir a cidade um valor por pessoa na ordem de 38% a mais do que recebeu a administração de Bom Despacho, de R$ 1.854,33 per capita. Se comparado com Lagoa da Prata, a receita de Santo Antônio do Monte por habitante foi 55% maior. O prefeito Paulo Cesar Teodoro teve à disposição um recurso de R$ 1.656,60 por pessoa para administrar o município, conforme o gráfico.

Proporcionalmente com menos dinheiro que S. A. do Monte, governo de Lagoa da Prata investiu em obras mais de R$ 10 milhões com recursos próprios do município

Todos os municípios brasileiros passam por dificuldades financeiras. Além de assumirem os serviços diretos com a própria população, os gestores municipais precisam investir os recursos da cidade em diversas ações que são de responsabilidade do Estado e da União, como a segurança pública, por exemplo. Geralmente, o aluguel dos imóveis que abrigam as delegacias e os quartéis das polícias, bem como o combustível das viaturas, é pago pelas prefeituras. E somente uma parte mínima dos impostos pagos pelo cidadão chega aos cofres do seu município. As cidades também encontram dificuldades em oferecer um serviço de saúde digno ao cidadão – muitas das vezes por desamparo dos governos estaduais e federal, e outras vezes, por má gestão.

wilmar_samonte_tabela02

Com todas essas dificuldades, o governo de Lagoa da Prata tem encontrado alternativas para executar obras com recursos próprios. Em 2013, o prefeito Paulo César Teodoro reajustou impostos municipais e promoveu uma economia nos gastos da administração. A pedido do Jornal Cidade, a Secretaria Municipal de Fazenda está produzindo um levantamento dos valores investidos pela administração desde o início do mandato. O relatório das ações do governo será publicado nas próximas edições, porém, a seguir, veja uma prévia dos recursos próprios investidos por Lagoa da Prata.

DA REDAÇÃO | redacao@jornalcidademg.com.br

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄