fbpx

Usuários do Ipsemg enfrentam dificuldades para atendimento médico

Dona Esmeralda de Oliveira, servidora aposentada

Lagoa da Prata possui 1.400 conveniados, e o Estado afirma que irá regularizar todas as pendências até o mês de abril deste ano

Usuários do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) de Lagoa da Prata e das demais cidades mineiras têm enfrentado dificuldades para obter atendimento médico e realizar exames, procedimentos e cirurgias. Desde o ano passado, o Ipsemg vem passando por uma crise que ocasionou o comprometimento de atendimentos em todo o Estado.

De acordo com dona Esmeralda de Oliveira, servidora aposentada, nos últimos tempos o Ipsemg teve muitas mudanças que acarretaram problemas para os usuários. “O Ipsemg foi muito bom, era fácil conseguir uma consulta ou exame. Já fui muito beneficiada e não posso reclamar, mas ultimamente está bastante complicado. Desde janeiro que estou tentando fazer um exame e não consigo, porque eles marcam, desmarcam, tornam a marcar e desmarcam, dizendo que o convênio está suspenso”.

O Jornal Cidade entrou em contato com assessoria de comunicação do Ipsemg para saber mais detalhes. A informação foi que Lagoa da Prata possui 1.400 beneficiários e estes podem contar com serviços odontológicos, consultas médicas, exames laboratoriais, fisioterapia, atendimento no Hospital São Carlos e serviços previdenciários na regional. “Devido ao bloqueio da União, que atrasou o repasse de recursos ao Governo de Minas Gerais, conforme amplamente noticiado, o Ipsemg já iniciou os pagamentos aos prestadores de serviços de saúde no primeiro dia útil de março, visando equacionar os débitos de novembro. O governo do Estado reafirma o compromisso de regularizar os atrasos”, disse a assessora Bruna Mendes.

No cronograma repassado, o governo afirma que irá regularizar os atrasos até o final de março de 2018 os débitos relativos a dezembro de 2017 e janeiro de 2018, e até o final de abril de 2018 estará restabelecida a normalidade dos pagamentos.

A reportagem também entrou em contato com a gerente do hospital São Carlos, Danielle Saraiva, mas as ligações não foram atendidas e o e-mail não foi respondido até o fechamento da matéria, deixando o espaço em aberto caso queira se posicionar posteriormente. Em contato com um dos laboratórios na cidade que atendem pelo plano, foi informado que os usuários não estão fazendo exames pelo Ipsemg desde o dia 16 de janeiro deste ano, devido a falta de pagamento do instituto para com o laboratório.

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄