Prefeitura de Lagoa da Prata realiza coletiva sobre medidas de combate durante onda roxa

Prefeitura de Lagoa da Prata realiza coletiva sobre medidas de combate durante onda roxa

Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (16), o prefeito Di Gianne Nunes, juntamente com secretários esclareceu sobre as medidas obrigatórias determinadas pelo Governo Estadual na Onda Roxa e também informou quais medidas tomará para socorrer a saúde e o comércio local.

Karine Pires e Rhaiane Carvalho

A Prefeitura de Lagoa da Prata realizou na manhã desta terça-feira (16) uma coletiva de imprensa para comunicar à população sobre as medidas impositivas do Estado em relação à pandemia da covid-19. Estiveram presentes na coletiva, o prefeito Di Gianne Nunes, a secretária de Saúde, Margarete Lacerda, o assessor jurídico Laelson Lima, o vice-prefeito Joanes Bosco, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Rogério Corgosinho, e o comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), Uillian Goulart. Sem abertura para concessões, a onda roxa, a qual todo Estado passa a ter que seguir, traz medidas de combate mais rígidas. Mesmo os municípios que não aderiram ao Minas Consciente devem seguir as normas. Lagoa da Prata, assim como as cidades da região, está com sua capacidade de leitos hospitalares total.

A secretária de Saúde, Margarete Lacerda, ressaltou que Lagoa da Prata bateu recorde de casos positivos. Durante a coletiva, ela ressaltou que, até o momento, não há falta de equipamentos para o hospital e nem para os profissionais de saúde na cidade. A secretária também apontou que não há como abrir outro local para atender pacientes com covid-19, como um hospital de campanha, pois não há profissionais suficientes para trabalhar e nem estrutura para montá-lo. “Equipe profissional está em falta no país, o próprio Zema falou em pronunciamento: Não adianta abrir leitos se eu não tenho quem vai trabalhar”, explicou.

 Em relação à ampliação de leitos de Centro de Terapia Intensiva (CTI), a secretária lembrou que disponibilizá-los não é tão simples assim. “Leito de CTI, por exemplo, muita gente fica cobrando se serão ampliados. Mas para leitos de CTI, eu preciso de uma estrutura. Eu preciso de respirador, monitor, equipe que saiba entubar e conduzir um serviço de urgência”, enfatizou.

Em relação à utilização de serviços de saúde sem urgência, a secretária enfatizou:

A partir de amanhã (17), as pessoas que não precisarem de atendimento de urgência do serviço de Saúde não procurem por ele, nós estamos em Onda Roxa. Aquilo que não tem urgência, não é para ser atendido agora, afirmou Margarete.

A secretária também afirmou que o município está sendo pressionado pela Regional de Saúde de Divinópolis (RGS) para tornar o Hospital São Carlos exclusivo para tratamento de pacientes com covid-19. No entanto, não é o desejo da gestão “Quando a gente tornou leitos exclusivos para covid-19 no ano passado, nós tivemos muita dificuldade de transferir casos de  AVC, infarto e tudo ( se referiu a pacientes com estes quadros clínicos). Então, a gente tornou mais difícil a transferência do paciente com covid-19 e do paciente sem covid-19″.

Margarete enfatizou que o que a gestão consegue fazer hoje, foi feito na última semana, com a ampliação de leitos para covid-19 dentro do Hospital São Carlos. 

Netwise

Sobre o comércio, foi questionado ao prefeito Di Gianne se o município dará algum suporte para os comerciantes que estão sendo prejudicados durante a pandemia. Di Gianne destacou que a Prefeitura já fez muito pelo comércio, quando flexibilizou no início de janeiro deste ano as medidas para que pudessem continuar trabalhando na cidade, como poucas cidades fizeram na região. “Em relação à transferência de renda não é uma questão cabível ao município. Nós, com o secretário de Desenvolvimento, já fizemos reuniões para saber o que poderia ser feito. Lembrando também que há uma grande pressão dos prefeitos, aos deputados para pressionar o Governo do Estado para poder fazer algo emergencial, porque eles têm condições”.

Em relação à economia do município, o secretário da pasta de Desenvolvimento, Rogério Corgosinho, explicou que desde janeiro o Comitê de Enfrentamento contra a covid-19 e a pasta de Desenvolvimento têm trabalhado em conjunto para equilibrar a atividade econômica e a saúde da população. Rogério citou que Lagoa da Prata tinha a situação melhor que os outros municípios e, por esta razão, o comércio ficou aberto. Sobre as novas medidas da Secretaria, devido ao momento preocupante em todo estado mineiro, o secretário informou que o cenário mudou e a Prefeitura, juntamente com empresas parceiras vão formular medidas para socorrer a economia do município. “Hoje nós já iniciamos algumas conversas com as cooperativas para estudar possibilidades de socorrer o comércio local. Tudo ainda em estudo, mas algo rápido emergencial. Provavelmente, ainda hoje, a gente vai se reunir à tarde para delimitar algumas questões”.

Em relação às empresas que são instituições de ensino, o trabalho será voltado para capacitação do comércio para focar nas vendas de forma on-line, através de cursos que poderão ser feitos dessa forma. Já em relação à empresas que possuem grande número de funcionários, Rogério destacou que é importante que as empresas façam análises se a melhor alternativa serão as férias coletivas, pois isso pode causar aglomerações na cidade. Uma alternativa que também está sendo estudada, será ofertar cursos on-line que contribuam tanto para os funcionários quanto para as empresas. “Peço a parceria das empresas, a gente vai sim disponibilizar esses cursos, mas que exijam desses funcionários para que façam e apresentem as certificações e que não façam aglomerações”.

Já sobre a fiscalização, um dos pontos que serão intensificados na Onda Roxa, conforme a determinação estadual, o comandante Uillian Goulart da GCM frisou que o serviço será intensificado e fez um apelo aos pais de jovens para se atentarem que os filhos sigam as medidas contra a covid-19.

“A gente precisa da participação da população. Os pais têm que pôr limites nos filhos porque são os jovens que agora são mais acometidos pelas variantes, até algum tempo atrás ficavam assintomáticos e agora estão ocupando leitos. 

Outro ponto citado foram as festas clandestinas, consideradas um gargalo pelo comandante, no entanto, o pedido à população foi reforçado, principalmente para que denunciem, pois segundo o comandante, “não é o momento de fazer festas, mas sim, seguir normas sanitárias”, finalizou o comandante.

Em relação à compra de vacinas, o prefeito afirmou que o município está preparado, caso fique responsável pela vacinação da covid-19. No entanto, Margarete informou que receberam informação de outros gestores que o município está autorizado a comprar desde que ceda a compra dos imunizantes ao Governo Federal e que por esta razão, se for o caso, o município vai aguardar para quando puder comprar e puder fazer a própria gestão das vacinas. A secretária ressaltou que esta informação ainda precisa ser confirmada, mas já adiantou a posição do executivo em relação ao assunto.

O que muda com a Onda Roxa

Os municípios devem cumprir medidas como toque de recolher das 20h às 5h e aos finais de semana. As regras incluem ainda a proibição de circulação de pessoas sem o uso de máscara de proteção, em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado; a proibição de circulação de pessoas com sintomas gripais, exceto para a realização ou acompanhamento de consultas ou realização de exames médico-hospitalares; a proibição de realização de reuniões presenciais, inclusive de pessoas da mesma família que não coabitam; além da realização de qualquer tipo de evento público ou privado que possa provocar aglomeração, ainda que respeitadas as regras de distanciamento social. 

O que dizem os números

No dia 16 de março, até às 13h, o município teve 146 notificações de covid-19, 54 confirmações, 12 internações hospitalares, oito internações na UTI e um óbito. Até o momento, o município tem 11.622 notificações, 2.608 confirmados, 218 casos ativos, 7.807 casos descartados e 42 óbitos.

Até a mesma data, Lagoa da Prata teve 2.848 doses de vacinas recebidas, destas, 1.816 foram destinadas à primeira dose e 855 para a segunda dose. Vale ressaltar que, a vacinação ainda está sendo feita em idosos a partir de 80 anos, na Policlínica 2, que está localizada na rua Goiás, 1076, no período de 8h às 13h. É necessário levar documento com número do Cadastro de Pessoa Física (CPF).

Posição do estado

Na manhã desta terça-feira (16), o governador Romeu Zema ( Novo), também realizou uma coletiva de imprensa e, durante a coletiva, Zema explicou que a medida foi tomada porque chegou em um ponto crítico no estado. O governador em um momento chamou de assassinas, as pessoas que descumprissem as medidas sanitárias. Durante a reunião, foi citado sobre um auxílio aos comerciantes que, de acordo com Zema, já foi solicitada uma análise para a Secretaria da Fazenda, sobre o que pode ser feito para as empresas, principalmente micro e pequenas e empresas, que serão afetadas no mês de março. 

Zema também informou que o Governo Estadual já conseguiu aprovação no Conselho de Fazenda Nacional (Confaz) de um novo Refis que trata da regularização fiscal referente a débitos com a União, e que vai ser disponibilizado para todo empresário mineiro. O banco BDMG também vai poder contribuir neste suporte. Em relação às contas de energia e de água, o governador informou ainda que solicitou à companhias que tenham um procedimento que atenda de maneira excepcional pessoas que vão ter dificuldade em estar quitando seus compromissos.

Foto: Governo Estadual de Minas Gerais/ Divulgação

Leia mais:
Em reunião, prefeitos da região Centro-Oeste Mineira aderem à Onda Roxa
Preços de produtos alimentícios e combustíveis têm assustado consumidores do Centro-Oeste MG

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄