fbpx

Imagens de penitenciária em Formiga que mostram detentos enfileirados, nus e algemados, causam comoção nas redes

Fotos foram denunciadas pela Associação de Amigos e Familiares de Pessoas em Privação de Liberdade. Após a polêmica, o diretor-geral do presídio foi afastado do cargo.

Em Formiga, uma ação de policiais penais com os detentos causou indignação nas redes sociais. Nas imagens, é possível ver os presos sentados em fileira, nus e algemados no pátio da penitenciária. A cena foi denunciada pela Associação de Amigos e Familiares de Pessoas em Privação de Liberdade. 

Ao portal de notícias G1, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), que administra a unidade, confirmou a ação e informou que o diretor-geral da unidade foi afastado do cargo. Inclusive, em uma foto, é possível vê-lo, logo atrás da fileira dos policiais que executaram a ação, como que em vistoria. 

Pelo Twitter, Maria Tereza dos Santos, presidente da associação que denunciou a ação, manifestou a sua indignação: “Enquanto circula a notícia da volta do Rodrigo Machado à coordenação do DEPEM-MG, campeia a tortura e a violência pelo sistema prisional mineiro”.  A Frente Estadual pelo Desencarceramento também se pronunciou perguntando “Até quando veremos cenas assim? até quando o Estado violará nossos corpos?

 

 

Conforme apurado, as imagens mostram um procedimento realizado na penitenciária de Formiga no dia 22 de outubro. Tratava-se de uma operação de retirada dos detentos e de seus pertences das celas em resposta a “movimentos de subversão da ordem”, esclareceu a Sejusp. A ação teria acontecido após alguns detentos terem queimado pedaços de colchões. 

Através de uma nota, o Departamento Penitenciário de Minas Gerais ressaltou que não compactua com qualquer desvio de conduta dos seus servidores e que todas as denúncias são apuradas, respeitando a ampla defesa e o contraditório. Informou, ainda, que um procedimento interno foi instaurado para apurar a motivação da realização das imagens. 

Nana Oliveira, advogada popular criminalista, criticou através do Twitter a intenção de apurar o vazamento das imagens enquanto a prática da tortura passa ilesa. 

Foi informado pela TV Integração que o promotor de Justiça de Formiga, Angelo Fanelli Júnior, recebeu nesta quinta-feira (11), um ofício do Centro Operacional de Direitos Humanos do Ministério Público, para instaurar um procedimento investigatório. 

 

 

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄