Gasoduto passará por Lagoa da Prata e Luz

Gasoduto passará por Lagoa da Prata e Luz

Gás para a planta de amônia em Uberaba sairá de Betim e passará pelas duas cidades no centro-oeste mineiro.

O gás que irá abastecer a planta de amônia da Petrobras em Uberaba sairá de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMTM), percorrendo um trecho de 457 quilômetros de dutos cujas obras de implantação demandarão um aporte financeiro da ordem de R$1,8 bilhão. “Na dúvida entre o gasoduto de transporte e o de distribuição, decidimos não ficar presos nessa armadilha e implementar o duto totalmente mineiro. Esta será a obra mais expressiva do governo do Estado em muitos anos”, disse o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), ao fazer o anúncio no saguão do aeroporto de Uberaba.

O gasoduto seguirá o trajeto da BR-262, que liga o Triângulo à capital, e terá capacidade inicial para transportar três milhões de metros cúbicos por dia de gás, para abastecer a planta de amônia e ainda deixar sobra para outras regiões. Isto porque passará por municípios tais como Juatuba e Mateus Leme (ambas na RMBH); Lagoa da Prata e Luz (Central), e Araxá (Alto Paranaíba), até chegar a Uberaba.
A previsão é de concluir a obra em maio de 2016. O cronograma da planta de amônia aponta para o início das operações em novembro do mesmo ano. O anúncio feito pelo governador foi acompanhado por diversas lideranças políticas e empresariais da cidade e região.
A revelação de que o gás virá de Betim causou surpresa, já que o governo vinha trabalhando com a implantação do duto de distribuição, saindo de Ribeirão Preto (SP) até Uberaba, um trecho de 91km ao custo de R$520 milhões e uma capacidade para 1,5 milhão de metros cúbicos/dia da matéria-prima essencial para abastecer a fábrica. O modelo, porém, foi barrado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) por ser inconstitucional e também dependia de um acordo com o governo de São Paulo e, ainda, de um decreto presidencial para chegar à cidade.
Outro modelo de duto é o de transporte com capacidade para seis milhões de metros cúbicos de gás, o qual já tem as licenças necessárias para o início da execução através da Transportadora de Gás Brasil Central S/A (TGBC), ligando São Carlos (SP) a Brasília, perfazendo 235 quilômetros até Uberaba e 960 no total. A totalidade da obra está orçada em R$1 bilhão. A rejeição ao projeto não foi explicada.
“Fizemos o compromisso de trazer o gás e ele virá de Belo Horizonte”, reiterou o governador, assegurando que a proposta foi apresentada em conjunto pela Cemig, Gasmig, Gaspetro e Petrobras essa semana na sede desta última empresa. Ainda segundo ele, a obra representará um novo eixo de desenvolvimento para a região. Para o prefeito Paulo Piau (PMDB), Anastasia agiu como um estadista, descortinando novas oportunidades para um boom desenvolvimentista. Ainda segundo PP, mais que nunca a Região Metropolitana do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (RMTRIAL) deve sair, pois há a necessidade de planejar para receber os investimentos que virão com o gás e também com a fábrica.
O presidente da Companhia Energética de Minas Gerais, Djalma Bastos, disse em entrevista coletiva que até o fim do ano será definida a associação para construção do duto, ou seja, quais empresas vão participar e de que forma, para posteriormente dar início ao projeto. O dirigente ainda colocou que os recursos para as obras virão da Cemig, Gasmig e Petrobras, “se ela for participar” – o que em sua opinião é praticamente certo –, e esses entes vão procurar recursos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Diretor da Gasmig, José Carlos Mattos assegura que a Companhia tem expertise para executar o projeto, considerando que já construiu os dutos do Vale do Aço, com 230km, e do Sul de Minas, com 126km.
Fonte: JM Online

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄