Estoque de medicamentos para covid-19 do Hospital São Carlos podem acabar em 3 dias

Estoque de medicamentos para covid-19 do Hospital São Carlos podem acabar em 3 dias

A fundação divulgou uma nota neste sábado (20), para fazer um apelo à Prefeitura Municipal de Lagoa da Prata, Superintendência Regional de Saúde e a Promotoria de Saúde. Devido ao aumento de paciências, a quantidade de medicamentos também cresceu. Segundo a fundação, foi feita a compra dos lotes e a entrega estava agendada, mas o Ministério da Saúde bloqueou a distribuição dos medicamentos, pois a pasta será a responsável por administrar esta distribuição.

O colapso na saúde já apresenta situações de extrema preocupação no Centro-Oeste MG. O Hospital São Carlos de Lagoa da Prata informou no sábado (20), que os medicamentos para intubação de pacientes devem se esgotar em menos de 3 dias. A entidade divulgou em nota um apelo para que a Secretaria Municipal de Saúde de Lagoa da Prata e a Gerência da Regional de Saúde de Divinópolis pudessem ajudá-los. 

Em nota, a entidade afirma que o percentual de ocupação de leitos chegou à taxa de 131% e que devido a este aumento, há uma demanda maior pelo consumo de medicamentos que são imprescindíveis no tratamento de pacientes e estes por sua vez, estão em escassez no mercado. O hospital explica que se trata de dois medicamentos, o Cisatracúrio e Rocurônio, a média de ambas as ampolas no estoque irá durar por aproximadamente 3 dias. O Cisatracúrio ajuda a relaxar a musculatura, facilitando a intubação dos pacientes com covid-19.

O hospital ainda informou que tinha solicitado os medicamentos mas que eles foram bloqueados pelo Ministério da Saúde, pois a pasta que irá determinar o envio de medicamentos para os hospitais do país. Houve tentativas de comprar os medicamentos, mas devido ao colapso nacional na saúde no enfrentamento da covid-19, a fundação não recebeu nenhuma garantia de que os receberia. Conforme a nota, os hospitais da região têm sofrido com o mesmo problema e caso os medicamentos faltem, podem haver resultados catastróficos e que a assistência aos pacientes pode ser comprometida.

O que diz a prefeitura

Em nota, a prefeitura de Lagoa da Prata ressalta que o bloqueio foi feito pelo Governo Federal e que já entrou em contato solicitando auxílio ao Ministério Público.

Netwise

“Com relação à nota do Hospital São Carlos, a Secretaria Municipal de Saúde de Lagoa da Prata tomou conhecimento e já entrou em contato solicitando auxílio ao Ministério Público. É necessário salientar que, como informado em nota, o bloqueio dos medicamentos foi uma decisão do Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, que exige que a distribuição dos medicamentos seja realizada pelo próprio órgão.”

Secretaria Regional de Saúde

O Jornal Cidade entrou em contato com a SRS de Divinópolis, no entanto, até o fechamento desta reportagem não houve retorno sobre a situação do hospital.

Caos em todo o Brasil

Conforme o diretor-executivo da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados), Marco Aurélio Ferreira, esta ausência de medicamentos ocorreu devido a requisição de todo o estoque por parte do Ministério da Saúde. Em entrevista a Jovem Pan realizada neste domingo (21), o diretor afirmou que se o diálogo não progredir com o Governo Federal, a Anaph recorrerá ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“Os hospitais privados brasileiros têm estoque de medicamentos suficiente apenas até segunda-feira ou terça-feira. Algumas unidades já estão sem os insumos disponíveis. Isso aconteceu porque, na semana passada, o governo federal tomou uma decisão unilateral, da qual não fomos sequer comunicados, que desorganizou toda a cadeia de suprimentos. Estamos tentando conversar, mas se não houver diálogo com o governo, recorreremos ao STF“, afirma o diretor.

Ainda em entrevista para CNN Brasil no sábado (20), o diretor afirmou que o estoque de medicamentos pode acabar nesta segunda-feira (22) em todo o país.

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄