Diocese de Luz se posiciona contra a realização de missas presenciais na região

Diocese de Luz se posiciona contra a realização de missas presenciais na região

A Diocese informou em nota que retornar a realização das celebrações de forma presencial não seriam uma atitude prudente no momento.

Diante de tamanho descontrole da condução da pandemia da covid-19, o Governo Estadual determinou restrições mais rígidas através da Onda Roxa do plano Minas Consciente desde o dia 17 março, no entanto, a decisão pela realização de cultos religiosos ficou a cargo das próprias prefeituras municipais. No dia 3 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a prática presenciais dos cultos está autorizada. Dessa forma, a Diocese de Luz emitiu um comunicado em seu portal se posicionando contra a realização presencial dos cultos neste momento.

A Diocese de Luz, é responsável por algumas paróquias nos municípios do Centro-Oeste MG. Conforme a nota, assinada pelo bispo diocesano de Luz, Dom José Aristeu Vieira e o padre e chanceler, Marcos Tiago da Silva, voltar com os cultos religiosos de forma presencial não seria uma atitude prudente e que as celebrações devem acontecer pelas redes sociais.

“Não somos obrigados por nenhuma lei, o espaço interior das nossas Igrejas é administrado por nós! Até se nos mandam abrir, mas em consciência não sintamos que seja oportuno e prudente, não celebraremos com presença de fiéis, apenas manteremos as Igrejas abertas e incentivando os fiéis a acompanharem as celebrações e os momentos de espiritualidade através das transmissões em mídias sociais, deixando sempre claro aos fiéis qual é a nossa posição e em que se fundamenta”, afirma os religiosos.

Caso a situação dos municípios mudem, a Diocese deixará a cargo dos próprios padres que estão à frente das paróquias para decidirem pelo retorno das celebrações presenciais. “A não ser que a situação exija o contrário, deixarei que os padres de cada cidade reflitam e tomem suas decisões, ressaltando aqui dois princípios também fundamentais, a colaboração com a causa da NÃO DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS e a necessidade de buscar um posicionamento comum para as Paróquias de uma mesma cidade.”

Netwise

Por fim, a nota pede de colaboração para que as missas mesmo que transmitidas possam ser realizadas com segurança máxima para minimizar ao máximo possíveis riscos de contaminação e agravamento dos indicadores da doença que já fez inúmeras vidas de vítima, conforme a nota. 

Clique aqui e leia a nota na íntegra!

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄