fbpx

Casal é suspeito de estuprar a filha de sete meses

Um bebê do sexo feminino, de apenas sete meses de vida, pode ter sido vítima de estupro dentro de sua própria casa. A polícia investiga se o pai é o autor da violência e se a mãe sabia de tudo e não fez nada. O fato aconteceu na manhã dessa quinta-feira (10), na cidade de Campo Belo. Segundo informações da Polícia Militar a criança foi levada pela própria mãe até o Pronto Atendimento Médico para ser atendida. Ao examinar o bebê o médico percebeu fortes indícios de estupro, pois a menina estaria com sangramento vaginal. A mãe disse ao médico que durante a troca de fralda percebeu o sangramento e resolveu procurar ajudar médica.

Como é do procedimento do PAM, e sem que a mãe percebesse, o médico de plantão acionou a PM. Chegando ao local os policiais acompanharam os demais exames que foram feitos. Um médico legista examinou o bebê e confirmou que a criança teve o hímen rompido, com uma lesão perineal e ainda constatou fortes indícios de escoriações no ânus. Após uma radiografia o médico constatou que a menina estava com uma costela quebrada há cerca de 20 dias. A mãe disse que a fratura pode ter acontecido depois de uma queda que a criança sofreu ao cair do sofá, porém após a polícia ouvir alguns familiares estes relataram que o bebê era vítima  frequentemente de espancamento pelos pais.

Como a mãe da criança disse que somente ela e o marido tiveram contato com o bebê, a PM se dirigiu até a casa do casal a procura do pai, de 22 anos, mas não foi encontrado no momento. Em rastreamento, horas depois, o rapaz foi localizado e, junto com a esposa, conduzido até a Delegacia de Polícia para depoimentos. A menina ficou internada e está sendo acompanhada pelos médicos.

 

Adriano Santos – TV Cidade, Lagoa da Prata.

Conteúdo exclusivo do portal TV Cidade Lagoa da Prata. A reprodução total ou parcial está expressamente proibida sem a autorização por escrito da produtora, conforme determina a Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610), estando o infrator sujeitos às penalidades impostas pela legislação. É permitida somente a divulgação do teor integral por meio de compartilhamento nas redes sociais.

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄