Capelinhas de Mãe Rainha estão perdidas e paróquia faz apelo aos fiéis

Capelinhas de Mãe Rainha estão perdidas e paróquia faz apelo aos fiéis

Reportagem: Alan Russel

Quem é católico já deve ter recebido ou conhece alguém que recebeu em sua casa a capelinha da Mãe Rainha Peregrina de Schoenstatt. Durante muitos anos, diversas famílias tinham o costume de fazer a peregrinação da imagem da Mãe Rainha em Lagoa da Prata. A campanha de peregrinação tem o intuito de fazer com que a capelinha visite, abençoe e conceda graças à trinta famílias durante um mês, ficando a capelinha um dia em cada casa.

Mãe Peregrina é o centro de espiritualidade do Movimento Apostólico Internacional de Schoenstatt, que é um movimento católico mariano fundado em Schönstatt, na Alemanha. No Brasil existe o Santuário de Atibaia, que recebe anualmente milhares de peregrinos, sendo o Santuário da Mãe Rainha com o maior número de romarias no país.

A irmã Ana Maria faz parte da coordenação do secretariado da campanha da Mãe Rainha e Peregrina. Ana esteve em Lagoa da Prata no mês de agosto com a tarefa de cuidar e manter viva a espiritualidade da Mãe Peregrina. Em Lagoa da Prata, chegaram a ter 177 capelinhas da Mãe Peregrina, fazendo com que milhares de famílias do município pudessem receber a peregrinação da imagem em suas casas. Nos últimos anos, a cultura de peregrinação da Mãe Rainha foi perdendo forças e a diocese  perdeu contato com muitas capelinhas. A irmã Ana Maria veio à Lagoa da Prata justamente para fazer esse trabalho de conscientização junto aos fieis e tentar recuperar as imagens que ficaram perdidas ao decorrer dos anos.

“A imagem da Mãe Rainha tem a missão de peregrinar pelas casas, levando as graças do santuário e proporcionando às famílias o encontro com Maria e com Jesus. Uma imagem parada está impedindo que aconteça esse encontro entre as famílias e a mãe de Deus. Uma imagem da Mãe Peregrina parada está quebrando a corrente de graças da campanha de peregrinação. Por isso pedimos para que quem tenha uma imagem parada em sua casa, procure a secretaria da paroquia ou alguém que esteja envolvido na campanha missionária para fazer a devolução da imagem”, enfatizou.

A irmã Ana Maria diz que muitas das vezes as pessoas que estão com as imagens paradas em casa se sentem com receio, timidez ou vergonha de fazer a devolução das imagens. A irmã esclarece que não existe dificuldade alguma e quem não quiser levar a imagem para o coordenador de peregrinação pode deixar a imagem na secretaria da paróquia.

Tânia Modesto há mais de dez anos recebe a visita da Mãe Rainha e Peregrina e conta que antigamente as pessoas tinham mais compromisso e responsabilidade com a peregrinação da capelinha. “Quando começamos tinha bem mais comprometimento por parte das pessoas. Uma vez por mês recebíamos a capelinha em casa e no dia seguinte tínhamos o prazer de levar a Mãe Rainha para visitar outra família. Infelizmente, com o passar do tempo, as pessoas foram perdendo esse cuidado em fazer a peregrinação e hoje em dia não existem mais tantas capelinhas peregrinando”.

Tânia salienta também que as coordenadoras dos grupos que recebem a capelinha estão tendo dificuldades para coordenar a cooperação. “Já chegou a passar mais de dois meses sem a Mãe Rainha vir visitar minha casa. E isso dá trabalho para a coordenadora. Ela tem que ir atrás e, justamente por descuido de algumas pessoas, a peregrinação não acontece da maneira que deveria”.

O padre Cristiano Caetano, da Paróquia São Carlos Borromeu, diz que está mobilizando a comunidade para tentar resgatar as imagens perdidas da Mãe Rainha. “Estamos tentando resgatar as capelinhas para coloca-las em peregrinação novamente, pois a peregrinação tem muito significado. Peço para quem tem a capelinha parada em casa retornar a capelinha para a paróquia. Traga a imagem até a secretaria paroquial, que fica atrás da igreja da matriz. Essas capelinhas pertencem ao Santuário de Atibaia, que foi onde se deu início a peregrinação da Mãe Rainha no Brasil. Nós temos o dever de devolver à Atibaia Aa capelinhas que não estão peregrinando. Mas o nosso desejo não é devolver e sim reavivar a missão em Lagoa da Prata, tendo em vista que já tivemos praticamente 180 capelinhas peregrinando e hoje apenas 40 fazem a peregrinação. Qualquer dúvida a secretaria da paróquia está à disposição. Quem não tiver tempo ou condições de vir pessoalmente até a secretaria pode estar ligando no telefone 3261-1247”, finalizou o pároco.

Irmã Ana Maria e devotos de Mãe Rainha em Lagoa da Prata (foto: paróquia)

 

► DEIXE ABAIXO SEU COMENTÁRIO ◄