COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Em entrevista ao Jornal Cidade, o novo assessor de comunicação da Polícia Militar ensina as pessoas a se protegerem da criminalidade

Natural de arcos e criado na zona rural de Japaraíba, Washington Felipe é novo assessor de comunicação da Polícia Militar em Lagoa da Prata e S. A. do Monte. “Nós temos a sede da 107ª Companhia, que comanda Lagoa da Prata e Japaraíba, temos um pelotão na cidade de Luz, que comanda Córrego Dantas e temos o pelotão em Santo Antônio do Monte, que comanda Pedra do Indaiá”, enfatizou.

Continua depois da publicidade.

O militar trabalha em favor da segurança pública há oito anos. “Entrei para a PM em 12 de fevereiro de 2007, me formei em dezembro do mesmo ano e fui servir em Bambuí, onde fiquei por dois meses. Depois retornei para Lagoa da Prata. Em 2012 fui para Belo Horizonte fazer o curso de sargento. Com o curso concluído, em 2013 fui para Divinópolis e no início de 2015 retornei para Lagoa da Prata. Na minha primeira passagem por Lagoa da Prata, ainda como soldado, respondi pela comunicação também, e agora voltei executando a mesma função”, afirmou.

O sargento ainda destacou que seu maior objetivo é fazer com a informação chegue a toda população com mais rapidez e incentivar a prevenção, atitudes que podem ser adotadas por todos os cidadãos. “A proposta é fazer com que a informação flua mais rápido, porque com agilidade você consegue manter o cidadão bem informado e assim prender a atenção da população para que ela possa ajudar a polícia. As ferramentas são as mais diversas possíveis, usar tudo aquilo que a tecnologia nos oferece. O mais importante é criar os projetos, ter as ideias e transformar isso em realidade, de maneira gradual”, disse.

TRIÂNGULO DO CRIME

Washington destaca que muitos são os fatores que fazem o crime acontecer, e um deles é o descuido da própria população.Não há erros na população em ações de segurança, há uma cultura diferente da cultura de segurança. Estamos em uma comunidade que não está habituada a ter processos de segurança. Partindo para essa linha de pensamento. A segurança deve ser promovida, assim como a saúde. Se nós temos alguns desvios sociais, algumas condutas que nos levam a ter diversos crimes e um ambiente de insegurança (que não chega a tanto), devemos identificar o que precisa ser remediado e corrigir as disfunções sociais que existam ao redor, porque segurança não é propriamente uma relação entre polícia e cidadão, é um relacionamento de toda a sociedade civil organizada ao redor”.

O crime, para acontecer, precisa ter três situações. Um infrator pronto para cometê-lo, uma vítima em potencial e um ambiente ausente de vigilância.

Uma teoria adotada pela polícia, e que, segundo o sargento, é importante que as pessoas a conheçam, é o “triângulo do crime”. “O crime, para acontecer, precisa ter três situações. Um infrator pronto para cometê-lo, uma vítima em potencial e um ambiente ausente de vigilância. Se estes três fatores estiverem no mesmo local e horário, um crime vai acontecer. O ambiente sem segurança é de responsabilidade da população geral. Somente a polícia não consegue eliminar esses três pontos”, afirmou.

A Polícia Militar tem dois canais de denúncias por telefone: o 190 e o 181 (Disque Denúncia Unificado). “Saliento que para ser feita uma denúncia de qualidade, é necessário ter-se riquezas de detalhes, até mesmo para conseguir o mandato junto a Justiça. Imaginem o que podemos fazer ao longo dos anos? A população já nos deu um retorno fantástico. Quero agradecer a essa resposta imediata e falar da importância da parceria entre polícia, imprensa e comunidade. A população precisa acreditar nessa parceria. É isso que surtirá efeito em médio e longo prazo”, afirmou.

Por: Rhaiane Carvalho e Jéssica Ribeiro

 

 

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp