COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.
No fim de 2014 um caminhão provocou danos à estrutura do local. Após 99 dias, parte da ponte foi reconstruída.

O trânsito na ponte que liga a cidade de Lagoa da Prata ao município de Luz, foi liberado. A ponte foi interditada no fim de 2014, depois que um caminhão acima do peso permitido provocou danos à estrutura do local.Durante a interdição, vários comerciantes acusaram prejuízos.

A cidade de Luz ainda tem outra ponte que poderia facilitar a vida dos produtores, mas as obras estão paralisadas. De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), a previsão é que as obras sejam retomadas nos próximos meses, após a entrada em vigor da lei orçamentária de 2015.

Neste período de 90 dias tivemos transtornos que atingiram duas frentes. A primeira foi o lado social, que são as pessoas, os fazendeiros que ficaram sem a devida passagem para transitar. A outra foi o transporte da matéria prima, que é o leite

Continua depois da publicidade.

José Antônio Bernardes conta que é diretor de uma empresa que faz captação de leite nas proximidades de Luz. Com a interdição da ponte, ele afirma ter tido perdas. “Neste período de 90 dias tivemos transtornos que atingiram duas frentes. A primeira foi o lado social, que são as pessoas, os fazendeiros que ficaram sem a devida passagem para transitar. A outra foi o transporte da matéria prima, que é o leite”, explicou.

Nos últimos três meses, o leiteiro Carlos Odam de Oliveira também gastou mais com o deslocamento. Com a reforma da ponte, as despesas diminuíram. “É um prejuízo muito grande, pois é uma volta muito grande ter que passar pela BR-262 e passar pela cidade de Moema”, afirmou.

Após 99 dias de interdição, a parte da ponte que havia cedido depois da passagem de um caminhão com sobrepeso foi reconstruída. A obra facilitou a vida de muitos que passam pelo local.

Segundo o secretário de obras, Roberto Basílio, os motoristas precisam respeitar o limite de 20 toneladas para garantir a segurança. “Sabemos que a capacidade no máxima é de 20 toneladas. Então se uma pessoa optar por fazer o uso inadequado, ele pode derrubá-la novamente”, explicou.

De acordo com o prefeito de luz, Aldair Duarte, o trâmite para solicitar a reforma atrasou os reparos. A cidade ainda tem outra ponte que poderia facilitar a vida dos produtores. Mas, há cerca de três meses, as obras estão paralisadas, faltando apenas 5% para a concretização do serviço. “A obra está suspensa pelo governo estadual desde novembro de 2014 e possivelmente começará em breve. Mas o trabalho ainda é grande para colocá-la em uso. Para isso tivemos que readequar a outra ponte e usá-la até que esta fique pronta”, explicou.

Por: G1

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp