COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

A Comunidade Terapêutica São Francisco de Assis participou no sábado 21 de um jogo treino contra a equipe sub-17 do Flamengo em Santo Antônio do Monte. A partida integra o Projeto de Fortalecimento da Educação e da Saúde Através do Esporte, que tem o objetivo de promover a prática esportiva, a educação e a inclusão social de jovens e crianças, além de incentivar as instituições que trabalham na recuperação dos dependentes de álcool e drogas.

 

Continua depois da publicidade.

O Flamengo venceu por 8 a 2, com gols de Eduardo (1), Rodrigo Di Maria (2), Mateus (1), Pedro (1), Wantuil Filho (3). Wallisson marcou os gols da Comunidade Terapêutica. O árbitro foi Kéferson Júnior.

 

O diretor de esportes do Flamengo, Wantuil Ferreira de Paula, ressaltou que o jogo proporcionou a re-socialização dos internos à comunidade e a possibilidade de mostrar aos atletas o perigo das drogas. “Pudemos mostrar aos jovens que as drogas estão matando, destruindo as famílias. E através do esporte é possível formar cidadãos”, disse Wantuil.

Flamengo e comunidade terapêutica

 

 

 

 

 

 

O secretário municipal de Esportes, Fernando Bolina, participou do evento e comentou sobre o projeto. “Temos vontade de fazer o Flamengo voltar a ser o melhor time do centro-oeste mineiro, como já foi em outras épocas. Se a gente conseguir, juntamente com esse trabalho social, será maravilhoso”.

 

Comunidade recupera vidas

 

Wantuil, Silvério, José Rafael e Nando.
Wantuil, Silvério, José Rafael e Nando.

 

 

 

 

 

 

 

O presidente da Comunidade Terapêutica São Francisco de Assis, Dr. José Rafael, participou do evento e, em entrevista exclusiva ao Jornal Cidade, falou o trabalho da entidade. “A nossa comunidade  foi um sonho de um grande empresario santoantoniense, senhor Getúlio Batista de Oliveira, que infelizmente não está mais entre nós. A comunidade terapêutica tem o objetivo de fazer o bem a essa juventude e a essas pessoas que infelizmente caíram no caminho enganoso da droga e do vício. Esse projeto era o sonho do Getúlio. São seis anos de trabalho. Já passaram mais de mil pessoas, muitas delas, graças a Deus, inteiramente recuperadas e voltaram ao seio da família e da sociedade. Quem quiser contribuir conosco, pode nos procurar em nosso escritório, que fica na estação rodoviária, ou fazer uma doação em débito automático através do Credimonte”, disse Dr. José Rafael.

 

 

 

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp