COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

A alegria toma conta dos ambientalistas, funcionários e frequentadores do Parque Nacional da Serra da Canastra, situado em São Roque de Minas, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais. Com a chuva que se intensificou na região nos últimos dias, a principal nascente do Rio São Francisco, que fica dentro da área de preservação voltou a jorrar água com um volume expressivo. A Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, uma das mais importantes do país, sofreu por causa do longo período de estiagem em 2014, considerado o maior nos últimos 30 anos.

A comemoração por causa da volta da nascente começou na tarde dessa quinta-feira. Um funcionário foi deslocado para o alto do parque, onde se localiza a nascente, e voltou com a boa notícia. “Estamos tendo muita chuva desde o último domingo na região que ultrapassou uns 200 milímetros. Ontem, mandei um funcionário verificar a nascente e ele voltou dizendo que ela voltou a jorrar água em volume expressivo”, explicou o analista ambiental e chefe substituto da Unidade de Conservação, Vicente Faria.

Essa nascente é histórica do São Francisco e ela nunca tinha secado. Isso é muito ruim, porque um dos motivos de criação do parque era a preservação desta nascente. Mas, sabíamos que com a chuva iria voltar, como de fato voltou

Continua depois da publicidade.

Mesmo sendo uma situação que era esperada pelos funcionários, a notícia foi bastante comemorada. “Essa nascente é histórica do São Francisco e ela nunca tinha secado. Isso é muito ruim, porque um dos motivos de criação do parque era a preservação desta nascente. Mas, sabíamos que com a chuva iria voltar, como de fato voltou”, disse Faria.

Quando a situação da nascente foi descoberta, em setembro deste ano, causou preocupação nas autoridades e ambientalistas. Isso porque, a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco abrange 639.219 quilômetros quadrados de área de drenagem. Segundo o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) a vazão média é de 2.850 metros cúbicos por segundo, o que equivale a 2% do total do país. O rio tem extensão de 2,7 mil quilômetros. Ele nasce na Serra da Canastra, escoando no sentido sul-norte pela Bahia e Pernambuco, quando altera seu curso para este, chegando ao Oceano Atlântico através da divisa entre Alagoas e Sergipe.

Incêndios

O Parque Nacional do Serra da Canastra sofreu com o tempo seco neste ano. Várias ocorrências de incêndio foram registradas, o que maltratou a vegetação e a fauna local. Com a chuva, a situação está sendo normalizada. “O parque queimou mais de 90 mil hectares com uma série de incêndio que começou em julho e foi até setembro. Porém, a fauna está crescendo novamente. Já temos abrigo e alimento para a fauna, além de embelezar a paisagem. A beleza cênica voltou”, afirma o chefe substituto.

Dezembro deve ter mais chuva

Os meteorologistas estão confiantes com o retorno das chuvas em Minas Gerais. Para Luiz Ladeia, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), dezembro dever ter precipitações acima da média. “A chuva de novembro vai gradativamente reduzindo a situação crítica no estado, mas ainda não está bom. Esperamos que mês que vem a situação melhore mais. Por enquanto é só um alívio”, comentou.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, conforme o meteorologista, já choveu 70% da chuva esperada para Novembro. As chuvas fortes e contínuas devem dar uma trégua neste fim de semana em parte do estado, segundo previsão do meteorologista Ruibran dos Reis, do ClimaTempo. Somente no Norte e Nordeste (vales Jequitinhonha, Mucuri e Rio Doce) de Minas, a massa fria que está se dissipando em direção ao Sul da Bahia ainda vai provocar precipitações prolongadas.

 

Fonte: Estado de Minas

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp