COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Uma estudante de Engenharia Mecânica, fã de Gisele Bündchen, com apenas 20 anos e muita preocupação social vai para o Rio de Janeiro defender uma tradição do esporte nacional: Núbia Soares vai disputar o salto triplo nos Jogos Olímpicos – ao lado de Keila Costa, que vai para sua quarta olimpíada. As duas levam uma responsabilidade extra em suas passadas e saltos: o Brasil não terá um representante sequer na prova masculina, rompendo uma história vitoriosa que passa por medalhas e recordes do mundo, obtidos por Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudêncio e João do Pulo (somente em 1964 não tivemos saltador). “Eu não quero jogar esse peso sobre a Núbia” – esquiva-se o técnico Neilton Moura, que também foi saltador. “Minha melhor marca foi de apenas 15,25”.

A sorte de Núbia é que, em compensação, Neilton é com certeza o melhor técnico de saltos do país, seguindo a escola do mestre Pedro Henrique Toledo de Camargo, o Pedrão, técnico de João do Pulo. Nei, como é conhecido, não se preocupa apenas com a performance, ele cuida da alma e do ser humano. “Fiquei muito feliz ao ultrapassar o índice olímpico que era de 14,15 no Troféu Brasil, mas a felicidade maior foi por ter atingido 14,17m e concretizar os planos do meu técnico, que estudou todas as possibilidades para eu evoluir nos treinamentos”, conta a menina de família humilde e 1,82m de altura, que veio da mineira Lagoa da Prata, onde jogou handebol e se iniciou no atletismo com o técnico Abel Mendes.
“Lá a pista era improvisada, como em qualquer cidade do interior… o piso era de cimento”.
Na Olimpíada a parada será duríssima, mas os objetivos são bem claros: bater o recorde brasileiro de Keila Costa (14,56m) e chegar à fase seguinte da competição.
“Se isso acontecer, ela estará entre as oito primeiras”, garante o técnico Neilton Moura.
Realista, ele sabe que o salto triplo feminino reunirá competidores de altíssimo quilate, como a colombiana Caterine Ibargüen, um verdadeiro fenômeno do esporte que, até outro dia, exibia uma série invicta em 31 provas e que já saltou 15 metros e 31 centímetros. “Ela é muito legal, conversa com a gente e é amiga do Neilton… a Caterine o chama de profe…”.
 E quando Núbia tiver os mesmos 32 anos da rainha do salto triplo, ela espera estar formada em engenharia, ter várias medalhas, ajudar o pai que é segurança, a mãe que trabalha numa companhia de ônibus e a irmã Rúbia, que é atleta de lançamentos em Lagoa da Prata. E como Gisele Bündchen pretende ter muitos projetos sociais para ajudar os menos favorecidos.
Por: UOL

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp