COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.
Diante do elevado e injusto “Custo Brasil”, o empreendedor luta com seu talento, persistência e fé para se manter “vivo” e milagrosamente competitivo. Boa parte do resultado da sua produção vai direto (e antes de tudo) para os cofres públicos – e, infelizmente, não retorna em benefícios para a sociedade como deveria. Ainda sim, eles são milhões neste país, sendo, entretanto, os principais responsáveis pela evolução e o desenvolvimento da nação.

 

Uma pesquisa da Endeavor revela que 64% dos jovens brasileiros – de 18 a 29 anos de idade – querem abrir um negócio. Isso coloca o Brasil no topo do ranking dos países mais empreendedores do mundo, pois a mesma pesquisa constatou que na França este percentual é de apenas 26%, na Alemanha é de 35%, nos EUA é de 43% e na China é de 58%.

Continua depois da publicidade.

Mas como explicar essa vontade de empreender? Na verdade, essa constatação chega a ser até inexplicável e contraditória visto que o Brasil está longe de ser um país que oferece condições para a competitividade. Convivemos com uma das maiores cargas tributárias do mundo, sofremos com a elevada e exagerada burocracia imposta pelo estado e ainda temos que pagar os maiores juros bancários do mundo. E para piorar ainda mais a situação, as empresas brasileiras sofrem para transportarem suas produções. O Brasil tem uma das piores condições de logística do mundo. Quase tudo precisa ser transportado por caminhões em estradas complexas e ruins, lotando as rodovias e elevando os riscos de acidentes. Pouca coisa em relação ao que é produzido aqui é transportada por vias férreas e fluviais. E olha que o território nacional é composto por uma grande extensão de rios navegáveis. Considerando a situação, o custo com o transporte chega a ser 30% do valor da produção. Para se ter uma ideia do caos, segundo levantamento da ONG Banco de Alimentos, 10% do que é produzido pelo agronegócio se perde durante o transporte. Se já não bastasse tudo isso, as empresas brasileiras exportadoras ainda têm que conviver diariamente com a inoperância dos portos brasileiros.

Mas enfim, a explicação para essa vontade de empreender – mesmo sob este cenário desmotivador – vem da criatividade do brasileiro e do seu desejo de independência. A mesma pesquisa da Endeavor revelou que 66% destes jovens querem empreender para alcançar uma segurança familiar, 65% para alcançar uma satisfação pessoal, 66% para conquistar recompensas financeiras e 77% para se ter independência. Podemos concluir então, que pessoas criativas não conseguem ficar quietas e querem estar sempre contribuindo para evolução do mundo, ainda que não seja fácil. Os obstáculos para elas são meros obstáculos e não são empecilhos para o empreendedorismo. Além do mais, querem ser independentes e construir seu próprio futuro financeiro, sendo dono de seus próprios ideais.

Diante do fato constatado, quais são as ações que você – caso deseje empreender – deva tomar para montar um negócio? O que precisa ser feito para começar, desenvolver e perenizar um empreendimento? Na minha concepção estas ações devem conter 13 passos, sendo:

1- Identificar um nicho de mercado: Vislumbre o negócio (produtos/serviços) que irá atender este nicho de mercado, e desenvolva a ideia (sonho) de como será este negócio. Se a ideia lhe causar entusiasmo, inspiração e paixão, siga em frente. O produto/serviço precisa oferecer uma vantagem competitiva que atenda uma necessidade, realize um desejo, supra uma expectativa e que faça o consumidor feliz.

2- Validação da ideia (sonho): Faça uma análise de mercado, verifique se a sua ideia tem sentido, verifique se o negócio é promissor, verifique se existem clientes para os produtos/serviços e quem são e onde estão estes clientes. Faça uma pesquisa de mercado. Converse com quem conhece as forças e fraquezas, as oportunidades e ameaças deste nicho de mercado. Segundo Fernando Dolabela, nesta etapa, o segredo é não ter segredo.

3- Plano de negócio: Faça o plano de marketing (os produtos/serviços, os clientes alvos, os fornecedores, os funcionários, os concorrentes, a localização, a logística, o preço, a promoção e propaganda, objetivos e metas), a contabilidade, a legalidade, as finanças, os investimentos (linhas de créditos e recursos próprios), a visão, a missão e os valores, o lucro esperado, o payback (tempo previsto de retorno do investimento) e a consolidação do negócio.

4- Saber o que você quer: Não tenha dúvida da sua ideia/sonho. Você precisa estar entusiasmado, inspirado e apaixonado pelo negócio. Saber claramente o que quer é um dos fatores mais importante para um empreendedor alcançar o sucesso.

5- Realize o plano de negócio: Monte a empresa. “Bote a mão na massa”. Trabalhe, trabalhe e trabalhe. Dedique-se de corpo, alma e coração. Comprometa-se. Não espere que ninguém faça por você, faça você mesmo as coisas acontecerem.

6- Posicionamento de mercado: É a posição que a sua marca, produtos/serviços vão ocupar nas mentes dos seus consumidores. Não tente ser bom em tudo e nem querer atender todo mundo. Segundo Philip Kotler, as empresas devem buscar posicionamento e diferenciação relevantes dentro do processo de gerenciamento estratégico da marca. Toda empresa e produto precisam representar uma grande ideia diferenciada na mente do mercado-alvo.

7- Gestão financeira: Monte um fluxo de caixa eficaz. Mantenha o estoque na medida ideal. Tenha controle absoluto sobre os custos e despesas. Jamais pague juros e taxas que não estejam previstos no plano de negócio. Dê valor a cada centavo. Nunca comece um negócio com dívidas mal elaboradas. Nunca!

8- Metodologia/identidade: Defina estrategicamente a visão a ser seguida, a missão a ser praticada, os valores a serem cultuados, os objetivos a serem atingidos e as metas a serem cumpridas.

9- Automotivação: Crie um ambiente para que a equipe possa se automotivar. Respeito, transparência, treinamento, formação e regras claras para promoção e carreira são meios para a construção de um ambiente sadio, energizado e altamente produtivo.

10- Meritocracia: Remunere e promova por méritos. Crie uma política de cargos e salários eficaz e motivadora. Valorize os bons e os que se esforçam e fazem a diferença para o sucesso da empresa.

11- Avaliação: Faça, periodicamente, uma avaliação do seu comportamento como líder, da sua administração, da atitude e desempenho da equipe, da concorrência, do mercado onde sua empresa está inserida e uma avaliação da eficiência da sua empresa. Eficiência é o termômetro do sucesso. Para ilustrar o tema eficiência, acho oportuno citar a espanhola Zara. Esta empresa leva apenas 15 dias para colocar uma nova coleção em suas 6.000 lojas espalhadas pelo mundo, fato que veio torná-la ícone do conceito de fast-fashion. A estratégia da Zara se tornou tema obrigatório nas melhores escolas de negócios do mundo.  Recentemente foram aberta 350 lojas na China em apenas 4 anos. Uma loja a cada quatro dias.

12- Inovação: Inove conforme a demanda do consumidor. Mas sua inovação precisa chegar antes da demanda e não depois. Para definir estratégias, criar produtos/serviços e inovar, veja seu negócio com os olhos dos seus clientes. Ofereça aquilo que eles desejam, nunca canse de encantá-los e supere suas expectativas. Faça seu cliente feliz e ele voltará outras vezes.

13- Consolidação: Sua empresa irá cometer muitos erros, mas saiba corrigi-los com rapidez. Aprenda com eles para melhorar seu empreendimento. Sua empresa terá vários problemas, mas saiba transformar os problemas em soluções para o crescimento. Sua empresa terá muitos desafios internos e externos, mas saiba superá-los sem perder o equilíbrio e a razão. Esteja sempre a frente da empresa com energia e entusiasmo. Toda reação depende de uma ação. Portanto, não espere mudanças sem ser você o primeiro a mudar. Sua empresa vai se consolidar somente após você aprender a lidar com as forças e fraquezas, e com as oportunidades e ameaças. Parece básico, porém um pouco complexo, mas, nada do que você não consiga dominar. Na verdade, é daí que vem a empolgação e a motivação dos empreendedores.

No momento que você for começar um negócio siga esses passos e cumpra fielmente cada etapa. Ainda que lhe pese o “Custo Brasil”, siga em frente. Você pode sim, transformar o seu desejo em algo real e promissor. O sucesso empresarial depende muito do nosso comportamento à frente do empreendimento. Por isso, nunca espere que as coisas venham de graça. Conquiste seu espaço, faça as coisas acontecerem.

 

Nilson Bessas Presidente do Conselho de Administração e Diretor Comercial/Financeiro do Sicoob Lagoacred Gerais. E-mail: nilson@lagoacred.com.br
Nilson Bessas
Presidente do Conselho de Administração e Diretor Comercial/Financeiro do Sicoob Lagoacred Gerais.
E-mail: [email protected]

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp