COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Há algum tempo, uma pessoa me disse que não gostava de olhar suas próprias fotos. Sua justificativa era a seguinte: “sempre que olho uma foto minha, tenho a impressão de que na época em que eu tirei a foto eu era mais feliz do que sou agora, e isso me deixa triste”.  Ao conversarmos, descobrimos que na verdade ela estava enganada! Chegamos à conclusão de que ao olhar as próprias fotos, ela focava o olhar em seu sorriso, interpretando tal expressão como sinal de que estava muito feliz naquela foto. Acreditava assim, que o momento atual em que vivia, era muito pior que o daquela época.

Um fato importante e que, no entanto, foi desconsiderado por essa pessoa, é o de que somos treinados desde a infância para sermos fotografados e recebemos a seguinte orientação antes do flash: “Sorria”. Quando já estamos adultos e treinados, tal orientação torna-se desnecessária, pois os sorrisos e expressões de alegria já surgem automaticamente diante de uma câmera. Após dar-se conta deste aspecto ampliou o seu olhar para além daquele sorriso esboçado na foto e pôs-se a recordar da real situação de sua vida na época em que foi fotografada. Por incrível que pareça, chegou à conclusão de que em ambos os momentos (da foto e atual) eram carregados tanto de aspectos positivos quanto aspectos negativos em sua vida. Não havia um melhor que o outro. Se sentiu aliviada.

Continua depois da publicidade.

Na perspectiva da Terapia Cognitiva Comportamental, consideramos que o pensamento inicial dessa pessoa de que era mais feliz na época da foto, era distorcido e influenciava o seu humor de forma negativa. Ao ampliar o seu olhar e avaliar melhor a situação, teve a oportunidade de encontrar evidências que contradiziam sua percepção inicial, flexibilizando sua maneira de pensar e construindo um olhar mais realista e funcional. Este é apenas um exemplo de como muitas vezes sofremos por percepções distorcidas e sem fundamento. Avalie seus pensamentos e crenças, amplie o seu olhar, não sofra acreditando apenas na primeira ideia que lhe vêm à cabeça.

Autora: Luciene Morais Batista – CRP 04-37799 Psicóloga Clínica – Especializando em Terapia Comportamental e Cognitiva pela PUC Minas Consultório: Rua Professor Jacinto Ribeiro nº 32, Centro, Lagoa da Prata – MG Fones (37) 8842-4204 e 3262- 2132 Credenciada para Atendimentos Online pelo site www.psicoharmonia.com.br
Autora: Luciene Morais Batista – CRP 04-37799
Psicóloga Clínica – Especializando em Terapia Comportamental e Cognitiva pela PUC Minas
Consultório: Rua Professor Jacinto Ribeiro nº 32, Centro, Lagoa da Prata – MG
Fones (37) 8842-4204 e 3262- 2132
Credenciada para Atendimentos Online pelo site www.psicoharmonia.com.br

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp