COMPARTILHAR
O livro deverá ser lançado no próximo mês de julho
Continua depois da publicidade .

O livro “Maria Alice – Breve história de uma humilde serva de Deus” conta a trajetória da religiosa moemense Maria Alice dentro da Igreja Católica, que culminou com a sua nomeação, em 1971, como Ministra Extraordinária da Sagrada Comunhão – a primeira mulher no mundo a ocupar este cargo. A obra também traz ensinamentos morais e religiosos que a personagem ensinou aos seus familiares e a todos que conviveram
com ela.

Escrito por Carla Conceição de Mesquita e Souza, de 32 anos, também residente em Moema, o livro deverá ser lançado no próximo mês de Julho. Os pais da autora faleceram quando ela

A escritora Carla Souza pesquisou durante dois anos para concluir a obra
A escritora Carla Souza
pesquisou durante dois anos para concluir a obra
Continua depois da publicidade .

ainda estava na infância. Ela foi adotada por dona Nilda, irmã caçula de Maria Alice, a quem ela teve como tia. “Meu pai faleceu quando eu tinha dois meses E quando completei dois anos e cinco meses perdi minha mãe. Fui adotada por dona Nilda, que era solteira e morada com a sua mãe, dona Mariazinha, e as irmãs Jacira e Maria Alice. A primeira pessoa com quem me identifiquei nesta casa foi com a tia Maria Alice”, explicou a escritora.

Em 02 de agosto de 2012, após a morte de Maria Alice, Carla começou a escrever a história. “Meu intuito era somente fazer uma singela homenagem àquela que tanto amei e admirei. Não tinha pretensão em editar um livro. Na verdade, o capítulo que relata sua morte foi o primeiro a ser escrito. Passado um tempo, após seu falecimento, cogitei imprimir aquela publicação para dar aos parentes e amigos. Mas recordei-me de quantas riquezas
e exemplos ela havia nos transmitido no decorrer de sua vida e não poderia deixá-los para trás. Queria compartilhar com os demais sua história. Todas suas lutas, sua garra, sua fé inabalável. A forma como lidava com as dificuldades poderá auxiliar outras pessoas a superarem seus problemas. Logo, decidi que sua existência não poderia ficar apenas como recordações em minha memória”, disse.

A escritora acrescenta que encontrou dificuldade para finalizar o livro por falta de informações sobre a religiosa. Foram mais de dois anos de pesquisa até conseguir finalizar a obra. “Sua função na Igreja nunca foi relatada em nenhum lugar. Poucas pessoas sabem que foi em nossa Diocese que surgiram os primeiros Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão no mundo. Fiz uma mistura de sua missão na Igreja e sua vida particular. Quis tornar pública sua linda história”, destacou. Carla conta que Maria Alice deixou um legado de fé e oração. “Ela nos ensinou a conhecer as coisas de Deus e a vida dos santos. O amor dela e de minha mãe me inspiram”, enfatizou.

Reconhecimento papal

Papa Paulo VI foi quem autorizou Dom Belchior a criar o Ministério da Sagrada Comunhão. A aprovação foi dada para dez fiéis leigos, homens, em 1966. “Por volta de 1971, tia Maria Alice veio a ingressar entre os ministros, sendo a primeira mulher com esta função. Dom Belchior insistiu para que ela aceitasse, já que não havia a quantidade necessária de homens para auxiliar os sacerdotes”, informou Carla.

O lançamento do livro Serão impressos mil exemplares do livro. Outras informações podem ser obtidas pelo e- -mail da própria autora: [email protected] hotmail.com

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp