COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

O Legislativo e o SAAE se reunirão nesta quinta-feira (13/08) para debater a questão da taxa de esgoto. O valor da taxa assustou a população e tem gerado polêmica no município. A reunião acontecerá às 16h na Câmara Municipal e será transmitida pela rádio Veredas FM.

Em entrevista ao repórter Luiz Francisco da rádio Veredas, a presidente da Câmara de Lagoa da Prata, Quelli Couto, enfatizou que a reunião contará com a presença do Diretor do SAAE, Antônio Sampaio. “Hoje temos acompanhado o quanto as pessoas tem feito questionamentos sobre esse aumento na conta de água derivado da cobrança da taxa de esgoto. É hora que a gente quer, pelo menos tentar reunir o Executivo na pessoa do Toninho Sampaio, o Legislativo, que são os vereadores, e também a sociedade civil, que é toda a população que está envolvida com a questão desse aumento. A gente quer fazer uma reunião para que as pessoas tenham oportunidade de se manifestar e discutir“, afirmou.

Continua depois da publicidade.

Quelli também destacou que o diretor deverá explicar o motivo do aumento. “O Toninho Sampaio vai ter seu momento de estar dizendo o motivo desse aumento, quais foram as análises feitas para que subisse de 30% para 90% a tarifa de esgoto. Esse convite, na verdade é para um apelo mesmo e para que a população também tire as suas dúvidas. A gente vê várias manifestações pela internet, acredito que a imprensa falada e escrita tem recebido vários pedidos e questionamentos nesse sentido. Amanhã será uma oportunidade das pessoas que as pessoas que estão descontentes com o aumento. O intuito é que as pessoas se movimentem e compareçam a Câmara Municipal“, destacou.

A presidente salientou que existe um abaixo-assinado na Câmara organizado pela própria população. “Temos algumas pessoas que nos procuraram essa semana e irão apresentar abaixo-assinado. Nós vamos deixar também na Câmara para os interessados,  disponível hoje a tarde e amanhã pela manhã para pessoas que queiram assinar, dando a sua assinatura e seu apoio para esse movimento“, afirmou.

Para Quelli o aumento é abusivo. “O movimento busca entender o motivo desse aumento, que eu considero um aumento abusivo. O que a gente pretende com esse movimento é que o executivo possa sentar com o Legislativo e discutir melhor para que esse aumento possa baixar. Pois hoje a gente vê que ficou muito oneroso para o bolso de cada um de nós.  Pela análise que temos da documentação que foi enviada através do Saae, eu vou falar por mim, concluí que não precisava desse aumento através do que foi nos apresentado. Então eu acho o aumento abusivo e a chance da gente correr atrás, para a gente poder na pessoa hoje do prefeito Paulinho, como gestor, vê se a gente consegue que esse aumento fique um aumento mais justo, que caiba melhor no nosso bolso”, frisou.

Outro ponto questionado pela presidente é o fato da ETE já estar funcionando sem funcionários para operá-la. “Outra coisa que discutimos na segunda-feira é que estamos pagando por um serviço (que está sendo cobrado desde junho)  indevidamente.  Por mais que tenham pessoas falando que a ETE está funcionando, não tem como ela funcionar sem os funcionários e a lei foi aprovada segunda-feira, vai acontecer ainda um processo seletivo para contratação desses funcionários e só o gasto com funcionários é estipulado em torno de 80 mil reais. A gente querer cobrar a partir de junho sem ter realmente funcionário trabalhando é uma cobrança indevida. Até para isso pedimos auxílio ao Ministério Público, enviamos um ofício e estamos aguardando uma resposta do Ministério público sobre essa situação“, afirmou.

*Com informações da rádio Veredas.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp