COMPARTILHAR
Flávia de Castro Silva – CRP 04/45856 Psicóloga e atende no Espaço Crescer/ Maria Bruna Mota Pereira – CRP 04/45107 Psicóloga e atende na Clínica Reabilitar e ASAP
Continua depois da publicidade.

Atualmente, é cada vez mais comum perceber que muitas crianças têm dificuldade em respeitar regras e compreender que em todas as situações existem limites. E provavelmente isso acontece porque os pais, seja pela correria do dia a dia ou por não saberem o que fazer, não impõem limites aos filhos, atendem os seus desejos a todo o momento e, dessa forma, não os ensinam a lidar com as frustrações. É mais interessante investir na qualidade do pouco tempo que se tem com os filhos do que compensar a falta com brinquedos, presentes e realizando todas as suas vontades.

Impor regras e limites a uma criança significa ensiná-la que ela não pode tudo quando e onde quiser, é saber dizer “não”, é ensiná-la a respeitar. Quando isso é feito, a criança irá frustrar-se com várias situações, irá se sentir chateada e, possivelmente, apresentará vários comportamentos indesejáveis para qualquer mãe ou pai. No entanto, o diálogo e o ensinamento diante de tal situação são mais adequados do que atender prontamente os desejos da criança.

Continua depois da publicidade.

frustração

Por trás de um desejo de não deixar faltar nada à criança, podem estar pais que tentam realizar-se por meio do filho. Muitas vezes, querem dar aos filhos o que não tiveram, sem levar em conta o que a própria criança quer para si ou se essas realizações vão lhe fazerem bem.

É muito importante que os pais entendam que essas crianças um dia se tornarão adultas e que eles têm um papel imprescindível na formação desse sujeito. Por isso, faz-se necessário ajudá-las a compreender que na sociedade existem regras e que esses pais nem sempre estarão por perto para atender às suas demandas. Quando a criança é ensinada a lidar com as frustrações durante a vida não significa que ela nunca se sentirá frustrada quando estiver na idade adulta, mas que compreende seus sentimentos, que é capaz de aceitar regras e limites, vivendo melhor no meio social que a cerca.

Promover esse entendimento para a criança não é tarefa fácil, e nem existe um segredo que se aplique para todas as crianças. Mas também não é impossível. O melhor meio para educar a criança é por meio do lúdico. Assim como um adulto se comunica pela verbalização ou pela escrita, a criança irá se comunicar pela via do brincar. Nos jogos que envolvem regras, pode-se pontuar para a criança o motivo para esses combinados, e que eles valem para todos os jogadores. Nas brincadeiras que envolvem ganhar ou perder, é preciso mostrar que não se ganha sempre e, que mesmo isso sendo indesejado, é possível aprender com as derrotas e se divertir. Também vale à pena valorizar o que a criança está sentido, ajudando-a a aceitar a tristeza do momento como algo que é natural, e que ela tem o direito de se sentir assim, e que da mesma forma que ela não terá tudo o que quer sempre, a frustração também não é eterna.

Por fim, frustração pode não ser desejada, mas ela é necessária desde os primeiros anos de vida para que aprendamos a ser sujeitos desejantes, maduros e bem resolvidos. Talvez seja melhor se contrariar algumas vezes do que passar a vida buscando uma completude que não existe.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp