COMPARTILHAR
Vinicius Rezende, gerente de manutenção e tecnologia; Alexandre Antunes, diretor industrial e Hamilton Antunes, presidente da Embaré
Continua depois da publicidade.
A água utilizada na indústria será devolvida ao meio ambiente com 98% de pureza, índice acima do que é exigido pela legislação ambiental

A Embaré inaugurou na última sexta-feira (26/08) as obras de ampliação de sua Estação de Tratamento de Efluentes Industriais (ETEI). Como parte do aprimoramento da sua política de desenvolvimento sustentável, a empresa investiu mais de R$ 10 milhões desde a implantação da estação, em 1997, e a recente ampliação irá atender o aumento produtivo da indústria.

A ETEI recebeu melhorias significativas na tecnologia dos processos de tratamento, com o objetivo de aperfeiçoar a eficiência do sistema atual, melhorar a qualidade da água lançada no corpo receptor e produzir biofertilizante a partir dos resíduos sólidos.

Continua depois da publicidade.

A Embaré promoveu um encontro com convidados e imprensa para apresentar a ampliação da estação. “Para nós é muito importante apresentar as melhorias para a comunidade. É para nossos consumidores e para a cidade que trabalhamos todos os dias dentro das melhores práticas industriais e ambientais”, ressaltou o Presidente Hamilton Antunes.

COMPROMISSO SOCIOAMBIENTAL

A Estação de Tratamento de Efluentes Industriais da Embaré recebeu tecnologia de ponta no processo de biodigestão que permitiu o aumento na geração de biogás produzido na ETEI. O biogás está sendo utilizado como combustível na geração de vapor na caldeira localizada na planta da indústria, proporcionando a redução de seiscentas toneladas de biomassa por mês, contribuindo para a redução de gases poluentes no meio ambiente, efeito estufa e engajando na política de utilização de fontes renováveis de energia.

O Secretário Municipal de Meio Ambiente e Presidente da Bacia dos Afluentes do Alto São Francisco, Lessandro Gabriel, participou da cerimônia e ressaltou que a população precisa se conscientizar sobre os investimentos ambientais, públicos e privados, que a cidade tem recebido nos últimos anos.

Lessandro Gabriel, secretário de Meio Ambiente, elogiou a iniciativa da Embaré
Lessandro Gabriel, secretário de Meio Ambiente, elogiou a iniciativa da Embaré

“Com a inauguração desta obra da Embaré não haverá mais aquele desconforto que incomodou os moradores da região. Hoje a Embaré trata todos os seus efluentes líquidos e está com quase 100% de pureza. Lagoa da Prata é a única cidade da bacia do Rio São Francisco, da nascente à foz, que trata 100% do esgoto. É importante saber que estamos preservando os recursos hídricos de Lagoa da Prata para as futuras gerações”, destacou.

Neto, engenheiro do SAAE, destacou a tecnologia avançada utilizada na ETEI
Neto, engenheiro do SAAE, destacou a tecnologia avançada utilizada na ETEI

O engenheiro e Diretor-Adjunto do SAAE, Astácio Correa Neto, ressaltou a eficiência da ETEI. “Esta é uma obra de grande importância, de cunho ambiental incalculável. Esta estação da Embaré, totalmente renovada e ampliada, tem uma eficiência impressionante. Lagoa da Prata é uma cidade-modelo. É uma das principais cidades do Estado no que diz respeito ao tratamento de efluentes domésticos e industriais. Já visitei várias cidades e não encontrei nenhuma estação com a tecnologia disponível nas estações de Lagoa da Prata”, afirmou Neto.

“A água voltará à natureza quase 100% potável”, afirma Presidente

Em entrevista ao Jornal Cidade, o Presidente da Embaré, Hamilton Antunes, ressaltou o compromisso da empresa com o meio ambiente e com a comunidade.

A Embaré é uma empresa que sempre teve uma atuação marcante na esfera social, cultural e ambiental. Fale um pouco sobre a política da empresa:

Hamilton Antunes, presidente da Embaré
Hamilton Antunes, presidente da Embaré

Hamilton Antunes: Os consumidores estão mais exigentes na hora de escolher as suas marcas preferidas. Uma empresa ecologicamente correta é, para muitos, um requisito fundamental nesse processo de escolha. A Embaré sabe que a adoção de práticas ambientais sustentáveis é importante para a longevidade do negócio e, por isso, investe na melhoria contínua de todos os processos e atividades que envolvam sua cadeia produtiva.

Quanto a empresa já investiu em sua ETEI?

Mais de R$ 10 milhões. Quando se fala em investimento por parte das indústrias, os empresários tendem a fazer um investimento produtivo, em algo que ofereça uma produção. Mas a Embaré acha que o compromisso ambiental é um compromisso importante. Já que nós tiramos o nosso produto do meio ambiente, nada mais justo do que retornar ao meio ambiente os resíduos com a máxima pureza possível. Nossa obrigatoriedade, de acordo com a legislação ambiental, é entregar uma água com 85% de pureza. Estamos chegando a 98%. É uma água que volta à natureza quase 100% potável. Durante o processo de expansão houve um desconforto por parte da população, mas foi algo necessário. O que a natureza ganha daqui para frente é algo que não conseguimos mensurar.

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

Embaré investiu mais de R$ 10 milhões na ETEI
Embaré investiu mais de R$ 10 milhões na ETEI
  • PIONEIRA – A ampliação da ETEI da Embaré teve início em 2013. A empresa é a primeira do Brasil, do setor de laticínios, a implantar esta tecnologia no tratamento dos efluentes industriais.
  • ÍNDICE DE PUREZA – A legislação ambiental determina que as empresas devolvam à natureza a água utilizada no processo industrial com 85% de pureza. A meta da Embaré é chegar, nos próximos meses, a 98%. Em agosto já conseguiu chegar a 92,5%.
  • PRODUÇÃO DE BIOGÁS – A meta inicial era obter a geração de 4170 metros cúbidos de gás por dia. A ETEI já atingiu a marca diária de 8000 metros cúbidos. A queima do biogás está reduzindo o consumo de 600 mil quilos de biomassa de eucalipto por mês.
  • ECONOMIA DE ÁGUA – Investimento em tecnologias de reaproveitamento garante um consumo de apenas 1,4 litros de água para cada litro de leite captado, correspondendo a 35% da média nacional, que é de 4 litros.
  • ENERGIA – Criação da CICE (Comissão Interna para conservação de Energia), trabalhando permanentemente para otimizar a utilização de recursos como energia elétrica, vapor, água, soda e ácido.
  • RECICLAGEM – Investimento na estruturação física da Central de Resíduos, beneficiando a coleta seletiva, armazenamento e destinação dos resíduos. Mais de 90% de resíduos sólidos gerados são reciclados, sendo que mais de 400 toneladas de material reciclável são doados por ano à Ascalp.
  • EMISSÃO ATMOSFÉRICA – Monitoramento periódico das emissões gasosas das chaminés das caldeiras, garantindo os níveis de enxofre, monóxido de carbono e óxidos de nitrogênio muito abaixo dos limites requeridos pela legislação brasileira.
  • BIOMASSA – Investimento de R$ 17 milhões em tecnologia para geração de vapor a partir de biomassa de eucalipto. Os gases provenientes da queima da biomassa são isentos de substâncias compostas de metais pesados, melhorando as condições ambientais.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp