COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Bispo concede entrevista exclusiva ao Jornal Cidade

No dia 25 de fevereiro o Papa Francisco  nomeou Dom Antônio Carlos Félix como novo Bispo da diocese de Governador Valadares, no Leste de Minas Gerais. O anúncio oficial foi divulgado no dia 06 de março. Ele substituirá Dom Werner Franz Siebenbrock, que havia renunciado ao governo pastoral. Dom Antônio Félix era bispo da Diocese de Luz e será 4º bispo diocesano de Governador Valadares.

A posse de Dom Félix provavelmente deverá ser no mês de Abril. O seu substituto na Diocese de Luz será nomeado pelo Papa após a indicação de Dom Félix.

Continua depois da publicidade.

Antônio Carlos Félix nasceu em Caldas/MG em 5 de dezembro de 1957. É o terceiro filho de uma família de quatro irmãos. Seus pais são Nestor Félix Teixeira (80) e Sebastiana Garcia Teixeira, já falecida.

 

Jornal Cidade: Como se deu a sua caminhada dentro da Igreja Católica?

Dom Félix: Em 30 de janeiro de 1980, com 22 anos de idade, ingressei no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, onde, por três anos, fiz meus estudos de Filosofia. Em fevereiro de 1983 iniciei meus estudos de Teologia no Instituto Teológico Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté, onde obtive, em dezembro de 1986, o Bacharelado em Teologia.

Fui ordenado diácono e, depois, presbítero por Dom José D’Angelo Neto. Recebi o diaconato aos 11 de janeiro de 1986 no Santuário do Córrego do Bom Jesus. Fui ordenado presbítero aos 20 de dezembro de 1986 na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio, em Caldas.

Nos anos de 1992 e 1993, um dia por semana, eu deixava Pouso Alegre e ia estudar em São Paulo, onde obtive a Licenciatura em Filosofia, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras das Faculdades Associadas do Ipiranga, e a Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização em Teologia Dogmática, pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção.

Exerci o ministério presbiteral nos seguintes lugares: em 1987, recém ordenado padre, fui nomeado vigário paroquial da Paróquia São Francisco de Paula em Ouro Fino e da Paróquia Nossa Senhora da Piedade em Crisólia. De janeiro de 1988 até janeiro 2000, trabalhei incansavelmente na formação de novos presbíteros no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, em várias funções: formador, professor, orientador espiritual, promotor vocacional, diretor de estudo e reitor. De 06 de fevereiro de 2000 até  4 de fevereiro de 2003, fui pároco da Paróquia São Cristóvão e professor e orientador espiritual dos seminaristas no Instituto Teológico Interdiocesano São José, em Pouso Alegre.

Fui nomeado pelo Papa João Paulo II para Bispo da vacante Diocese de Luz aos 05 de fevereiro de 2003; fui sagrado bispo aos 04 de maio de 2003 e tomei posse como Bispo diocesano de Luz aos 18 de maio de 2003.

 Jornal Cidade: Como Bispo da Diocese de Luz, quais foram as suas maiores realizações?

Dom Félix: Quando fui nomeado Bispo em 2003, a Diocese de Luz era totalmente desconhecida para mim. Por isso, ao tomar posse, procurei visitar e celebrar em todas as paróquias para me inteirar da realidade. Trabalhei, tenazmente, para solidificar a ação evangelizadora, através da escolha de padres assessores para pastorais e movimentos e a reorganização das foranias. Promovi a elaboração e posterior revisão das Diretrizes Pastorais Sacramentais da Diocese de Luz. Dei encaminhamento aos passos necessários para a realização da 2a Assembleia do Povo de Deus, em Luz, em 2004, tendo alcançado um êxito significativo para a caminhada pastoral, favorecendo a construção do Plano e do Projeto Diocesano de Pastoral; fiz a Visita Pastoral em todas as Paróquias; trouxe para Luz as etapas do Propedêutico e da Filosofia, que estavam em Bambuí e Belo Horizonte, respectivamente; construí na sede da Diocese o Seminário Diocesano, a Cúria do Bispado e a Residência Episcopal; reformei e ampliei o Salão Diocesano. Dei prosseguimento à organização administrativa diocesana, iniciada pelo meu antecessor, Dom Eurico dos Santos Veloso, melhorando-a no que foi possível, revendo os modelos padronizados das prestações de contas e a contribuição mensal devida à Cúria Diocesana. Convoquei e coordenei, com êxito, os trabalhos pastorais em vista da realização da 3ª Assembleia do Povo de Deus, em Arcos, em 2009. Criei 16 novas Paróquias e consegui da Santa Sé a transferência de 07 Paróquias para outras Dioceses.

De junho de 2008 a junho de 2012, exerci o cargo de Secretário Episcopal do Regional Leste II para o qual fui eleito. Em 2011, participei de minha 1ª Visita ad Limina Apostolorum, em Roma.

Procurei pautar o meu ministério episcopal pelo exercício colegial da missão evangelizadora, através do diálogo maduro, da paciência e do respeito para com as pessoas e os diversos organismos de participação e comunhão eclesiais (Conselhos Paroquiais, Forâneos e Diocesano de Pastoral, Coordenação Diocesana de Pastoral, Colégio dos Consultores e Conselho de Presbíteros).

 

 Jornal Cidade: Como e quando o senhor recebeu a notícia de nomeação para a Diocese de Valadares?

 Dom Félix: No dia 25 de fevereiro deste ano recebi um telefonema do Sr. Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni d’Aniello, comunicando-me que o Santo Padre, o Papa Francisco, havia me nomeado Bispo da Diocese de Valadares.

 

 Jornal Cidade: Quais são as suas expectativas sobre a mudança?

Dom Félix: Espero ser pai, pastor e amigo do povo de Deus daquela diocese, para que SIRVAMOS SEM TEMOR a Jesus Cristo na pessoa dos nossos semelhantes, sobretudo os mais necessitados.

Jornal Cidade: Deixe uma mensagem para as paróquias da Diocese de Luz.

Dom Félix: Sejam, de fato, uma Igreja viva, comprometida com a causa do Evangelho do Amor, da Justiça, da Verdade e da Paz! Sigam a Jesus Cristo, com coragem, confiança e alegria! Participem da sua comunidade eclesial, com disponibilidade, responsabilidade e amabilidade!

Sejam, de fato, uma Igreja viva, comprometida com a causa do Evangelho do Amor, da Justiça, da Verdade e da Paz! Sigam a Jesus Cristo, com coragem, confiança e alegria! Participem da sua comunidade eclesial, com disponibilidade, responsabilidade e amabilidade!

Nesta oportunidade, quero agradecer a todos, pela amizade, pela cooperação e pelas orações. Contem sempre com minha gratidão e com minhas orações. De modo especial, agradeço Mons. Wellington Costa e Pe. Antônio Carlos da Silva: pela amizade sincera, pelo companheirismo, pelo amor à Igreja e pela incansável dedicação ao ministério pastoral.

… quero agradecer a todos, pela amizade, pela cooperação e pelas orações. Contem sempre com minha gratidão e com minhas orações. 

Desejo, de coração, que Deus conceda à Igreja Particular de Luz um pastor zeloso e sábio, capaz de apascentar essa parcela do rebanho do Senhor segundo Jesus Cristo, o Bom Pastor. E que Deus lhe conceda a graça de ser para vocês: pai, pastor e amigo! Amém.

 

Túnel do Tempo - Dom Félix sempre aberto ao diálogo recebeu o Jornalista Juliano Rossi para uma entrevista
Túnel do Tempo – Dom Félix sempre aberto ao diálogo recebeu o Jornalista Juliano Rossi para uma entrevista em 2006

 

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp