COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

O Sequestrador

A noite 22 de agosto no Bora Bora pegou fogo com tanta mulheres querendo ser a escolhida para ser a dona do coração de Rodrigo Marim, o temido Sequestrador das redes Sociais. A sortuda foi a Daniela que subiu ao palco, foi algemada e sequestrada.

Continua depois da publicidade.

Meninas, tive oportunidade de ter um bate papo rápido com o simpático cantor Rodrigo e fiz algumas perguntas, aquelas que todas as meninas tem vontade de fazer. Sabe qual foi a primeira de todas:

Você tem namorada ou é casado?

Rodrigo Marim: “NÃO SOU SOLTEIRISSIMO ESTOU NA PISTA”. …. Aiiii meninas esse gato está livre … hummmm. Então vamos bate e volta:

Nome completo: Rodrigo Carvalho Marim
Apelido: Digo
Cidade aonde Nasceu: Vinhedo – SP
Data de Nascimento: 27 de Março, 1989 –  26 anos
Signo: Áries
Hobbie: Cantar e estar com minha família
Um Cantor: Roberto Carlos
Uma Dupla: Bruno & Marrone
Frase: “Em paz com a vida e o que ela me traz na fé que me faz otimista demais”
Programa de TV: Altas Horas
Comida: Arroz e Feijão
Perfume: Egoist Platinum Chanel
Filme: Nosso Lar
Sonhos: Que fique tudo bem!
Exemplos de Vida: Meus avós
Família: Minha Estrutura
Crença: Deus acima de tudo!

Michele Pacheco: Como surgiu a música na sua vida?

RM:  “Desde que aprendi a falar eu canto, uma das primeiras foi “fogão de lenha” de Chitãozinho e Xororó.”

Aos 7 anos entrei para o Coral do Colégio Divino Salvador, localizado em Jundiaí – SP, onde me destaquei fazendo solo nas músicas, mas foi aos 12 anos que a arte entrou na minha vida de vez.

MP: Onde Nasceu?
RM:
Nasci na cidade de Vinhedo, e me tornei  músico por influência de meu pai, descendentes de italianos e portugueses. Desde pequeno eu via meu pai tocar e cantar, gostava muito. Resolvi aprender a tocar violão e tomei gosto pela música. Não larguei mais.

MP: Como começou a cantar?

RM: As festas de família mudaram, já não são mais as mesmas. Para garantir a animação de todos eu montava um repertório e fazia, com voz e violão, um show particular. A resposta dos familiares era tão grande, que passei a me apresentar em bares e restaurantes da cidade de Cajamar inicialmente, depois Jundiaí e região. Eram apresentações pequenas, muitas vezes de graça, para poucas pessoas, onde eu levava a caixa de som o microfone e soltava a voz. Sofria certa discriminação na época pois não haviam cantores solos sertanejos, somente duplas. Foi uma época muito importante para mim, aprendi muito nessa fase, sou muito grato a minha família e alguns amigos que sempre me apoiaram e muitas vezes eram os únicos da plateia.

MP: Sempre quis cantar sozinho?

RM: Já tive dupla em 2005, aos 16 anos conheci meu primeiro parceiro e formamos a dupla “Rodrigo & Ryan”. Fomos apresentados pelo radialista Guilherme Neto. Após um ano de shows, nossa parceira chegou ao fim por conta dos estudos universitários que Rodrigo pretendia seguir. Nesta época eu estava no colegial e me desliguei um pouco da música. Eu queria prestar vestibular para o curso de medicina veterinária, pois gosto muito da profissão.

MP:Quando começou a cantar profissionalmente?

RM: Com 18 anos, inverti a minha história e deixe a música falar mais alto. Troquei o curso universitário pela carreira musical. Fiz a minha escolha, segui minha verdadeira vocação, o que nasci pra fazer, que é a música sertaneja. É o que escolhi pra mim. Participei do projeto Sertanejo Play, onde conheceu hoje seu empresário Ivan Miyazato, lançando agora em 2014 seu novo trabalho que leva o nome de #sertanejoromanticosafado com um repertório que vale a pena conferir e que agrada todos os gostos. Atualmente tenho uma equipe completa formada por de 12 pessoas, com quem me apresento nas melhores casas de toda São Paulo, interior e alguns estados.

Claro, em Minas também não poderia ficar de fora de tanto sucesso, seja bem vindo a nossa Lagoa da Prata. Volte sempre trazendo novidades e essa energia boa que você e sua equipe têm de sobra.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp