COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade .

O cisto pilonidal ou doença pilonidal é um processo crônico inflamatório que acomete a região interglutea entre as nádegas, sendo estimado cerca de 26 casos por 100 mil habitantes. É mais comum em homens com uma taxa de 3,1 mulheres. Homens com maior quantidade de pelos costumam apresentar esses cistos com mais frequência.

Esse é o tipo mais comum de cistos dermoides, que também podem surgir em outras partes do corpo, como pescoço, em torno das orelhas, nariz e olhos.

Causas

Continua depois da publicidade .

Embora se chame “cisto”, não se trata de um cisto verdadeiro, e sim de um resquício embrionário de pele. Durante o desenvolvimento do embrião, ocorre a formação de excessos de pele (as chamadas “dobras”) que, com o tempo, são eliminados. Contudo, algumas dessas “dobras” podem ficar ocultas no interior da pele. Estas recebem o nome de fendas embrionárias e, nos casos em que são grandes o suficiente para inflamarem ou serem observadas a olho nu, são chamadas de cistos dermoides.

As causas de um cisto pilonidal ainda não estão claras. Acredita-se que seja causado pelo crescimento de pelos dentro da pele, na dobra entre as nádegas.

Fatores de risco

O cisto pilonidal é uma doença que afeta principalmente adolescentes e adultos jovens, com o pico de incidência após os 30 anos de idade. Pessoas do sexo masculino também são as principais afetadas pela doença, correspondendo a aproximadamente 80% dos casos.

Outros fatores de risco também são elencados pelos médicos como possíveis desencadeadores do cisto pilonidal. Veja:

  • Obesidade;
  • Trauma ou irritação na área afetada;
  • Excesso de pelos no corpo;
  • Ficar sentado por longos períodos de tempo;
  • Usar roupas muito apertadas.

Sintomas de Cisto pilonidal

Alguns casos são assintomáticos, mas apresentam um pequeno orifício na pele na região sacro, mais especificamente uns 5 cm acima do ânus.

Já os pacientes que manifestam sintomas apresentam dor nessa mesma região e podem apresentar outros sinais:

  • Inchaço;
  • Vermelhidão na área afetada;
  • Saída de pus pelo orifício;
  • Presença de pelos no orifício.

Em alguns casos, devido à intensidade do processo inflamatório e da infecção, novos orifícios podem surgir na região sacro, facilitando a saída espontânea do pus.


Alessandro Carvalho de Sousa Terapeuta Homeopata CNT 31055/MG e-mail: [email protected]

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp