COMPARTILHAR
Eunice Ferreira (vice-presidente da Asap) e Caroline Castro (presidente da Asap).
Continua depois da publicidade.
O grupo pretende realizar um seminário no dia 2 de abril, quando se comemora o dia mundial de conscientização do autismo

Familiares e profissionais se organizaram para formar a Associação Autismo e Possibilidades (Asap) em Lagoa da Prata. A entidade vai atuar em várias áreas, como na troca de experiências e no encaminhamento de reivindicações junto aos órgãos públicos e assistência às pessoas com transtorno do espectro autista, para garantir seus direitos.

A intenção da instituição é tornar a informação, o diagnóstico e o tratamento mais acessíveis. “Meu filho, por exemplo, ainda não teve o diagnóstico fechado, mas ele apresenta vários sintomas que caracterizam o TEA(Transtorno do Espectro Autista), ele faz tratamento, porém, todo particular. Queremos que as políticas públicas invistam nisso, porque quanto mais cedo se diagnosticar e tratar, muito mais chance a criança tem de superar suas limitações”, disse Caroline de Carvalho Castro, presidente da associação.

Continua depois da publicidade.

ASAPDe acordo com Eunice Ferreira, vice-presidente da Asap, a associação trabalhará no auxílio às famílias e pessoas com o transtorno do espectro autista de forma mais específica. “Trabalhei por 31 anos na Apae, que atende algumas crianças autistas. A gente percebe que precisa de um outro espaço que cuide só das crianças que têm autismo porque há uma grande diversidade de diagnóstico. Para isso precisamos de uma entidade que vá estudar, pesquisar, trabalhar e oferecer um tratamento. Temos, em Lagoa da Prata, 30 casos diagnosticados e outros casos sendo estudados”, afirmou.

A Asap atuará de forma efetiva para desfazer estereótipos que o transtorno do espectro autista tem. “O diagnóstico precoce e o tratamento adequado dá mais chances às crianças de perderem esses sintomas ao logo da vida. No início, quando foi descoberto o autismo, a criança recebia esse diagnóstico e morria com ele, não havia o que fazer. Hoje a gente sabe que muitas crianças que tiveram um diagnóstico precoce e o tratamento adequado perderam a  sintomatologia e hoje têm um desenvolvimento neurológico normal”, enfatizou Ferreira.

Segundo Castro, o maior ganho da sociedade com a Asap será a divulgação e conscientização sobre o que é o autismo. “O TEA não é uma deficiência ou doença mental, é uma forma da pessoa funcionar diferente da gente. A nossa proposta é trabalhar corretamente com as potencialidades desses indivíduos. A gente espera conseguir incluir essas pessoas na sociedade. Queremos divulgar nas escolas para que as crianças já cresçam sabendo do TEA e aprendam a respeitar essa diferença”, finaliza.

O QUE É AUTISMO?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição desordens complexas do desenvolvimento do cérebro. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na comunicação social e comportamentos repetitivos, dificuldades motoras. Os sintomas variam de pessoa para pessoa. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos; ou podem ser mais ao longo do desenvolvimento. Em alguns casos, pessoas com autismos também são portadoras de síndromes.

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp