COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

Sementes vieram de Goiás; cerca de 100 mudas foram produzidas no viveiro da Associação Nordesta de Reflorestamento

 

Uma iniciativa do ambientalista arcoense Nelson Morais pretende reintroduzir o caju do cerrado na cidade de Arcos. Sementes de cajueiro que vieram da cidade de Cocalzinho/GO, em dezembro de 2013, chegaram a Arcos através dos Correios – enviadas pelo filho do ambientalista que mora em Anápolis/GO. As mudas foram produzidas no viveiro da Associação Nordesta de Reflorestamento.

Continua depois da publicidade.

Segundo Nelson Morais, a ideia de reintroduzir a planta na cidade surgiu de lembranças da infância – quando ele acompanhava o pai e outras crianças na colheita de cajus, em uma área onde atualmente é o Bairro Olaria. “Meu pai era ambientalista e conhecia muitos frutos nativos. Aos domingos ele saia comigo e com outras crianças para procurar frutas, e em cada época tinha um tipo diferente. No final do ano tinha o “cajuzinho do mato” como a gente chamava, mas na verdade era o cajuzinho do Cerrado. Na região da Avenida Progresso e da Escola Municipal Olinda Veloso tinham muitos pés de caju que perfumavam o ar. Eu não me esqueço do perfume que o cajuzinho soltava no ar. A gente sabia que tinha caju maduro pelo olfato, colhíamos e chupávamos por ali mesmo. Com o passar dos anos os cajueiros foram extintos daquela região. Não sei se hoje tem em algum lugar aqui por perto”, contou Nelson Morais.

Com o apoio da presidente da Associação Nordesta de Reflorestamento, Neusa Falco, a ideia do ambientalista germinou, e as sementes de cajuzinho viraram cerca de 100 mudas, que segundo ele, serão plantadas em locais estratégicos para serem observadas. “Tenho que agradecer a Neusa Falco da Nordesta que acreditou nessa ideia. Entreguei as sementes para ela que achou muito interessante o cajuzinho do Cerrado, cuidou muito bem das sementes, e hoje nós temos as mudas e a ideia é de propagar isso no município. Pensamos em plantar algumas mudas na casa de um amigo que tem um espaço verde, no Bairro Olaria, onde há outras árvores de frutos do cerrado. Acredito que lá será o berço inicial desse projeto. As mudas vão agradecer por causa do tipo de terra. Vamos fazer essa experiência e acompanhar o tempo de crescimento e produção. Fora esse amigo, outras pessoas também vão receber mudas”, explicou Nelson Morais.

Cajuzinho do Cerrado

O caju do Cerrado é bastante conhecido e apreciado na região do Planalto Central do Brasil, dispersa pelo Distrito Federal e Goiás.
Seu nome popular é cajuzinho do Cerrado ou simplesmente cajuzinho. A coloração da casca do pseudofruto maduro é amarelada e avermelhada. O aproveitamento alimentar é na forma de polpa in natura ou em forma de sucos, licores e doces. A castanha também constitui uma fonte alternativa de alimento e pode ser consumida quando tostada.

Viveiro da Nordesta

O viveiro da Associação Nordesta localiza-se na zona rural de Arcos – MG, e tem produção anual de 300 mil mudas de diversas espécies, produzidas em sistema de tubetes, que conferem uma alta qualidade ao sistema radicular e proporciona um maior rendimento dos trabalhos por ocupar menor volume e peso.

A coleta de sementes é realizada na região pela equipe da Nordesta, durante todo o ano, em matrizes que já estão sendo catalogadas. Após o beneficiamento, estas são acondicionadas em sala climatizada com sistema de desumidificadores. O banco conta atualmente com aproximadamente dois milhões de sementes.

 

redemin

 

 

Fonte: Portal Arcos

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp