COMPARTILHAR
Continua depois da publicidade.

A informação foi repassada ao CCO por Danila Alves Teixeira Azevedo, tia-avó de P.R.F., de 16 anos, agora à tarde. A adolescente, que mora no bairro São Judas, está internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da Santa Casa de Misericórdia de Formiga, desde a madrugada da última segunda-feira, 17, e permanece em estado grave. O CCO tentou falar com a mãe da adolescente, que transferiu a ligação para a tia dela, pois estava saindo de Arcos em direção a Formiga, para visitar a filha.

o médico de plantão no P.A examinou a adolescente e diagnosticou uma infecção de garganta, tratando o caso com medicação e liberando a paciente. 


Por telefone, Danila informou que a sobrinha começou a passar mal no último dia 9 e procurou atendimento junto ao Pronto Atendimento Municipal São José na madrugada do dia 10. A tia da adolescente contou que ela sentia dor de garganta, dor no estômago, ânsia de vômito e estava com febre de 40,5 graus. Ainda segundo Danila, o médico de plantão no P.A examinou a adolescente e diagnosticou uma infecção de garganta, tratando o caso com medicação e liberando a paciente. Mas durante a semana ela precisou ser atendida outras três vezes no P.A, reclamando os mesmos sintomas. Os nomes dos médicos não foram informados, o que impossibilitou o CCO de procurá-los de imediato.

Continua depois da publicidade.

No último dia 14, a mãe da adolescente decidiu procurar um médico especialista em otorrinolaringologia. Danila contou que nenhum problema de garganta foi detectado. Diante dos sintomas descritos pela adolescente e de um resultado de hemograma, em que as plaquetas estavam abaixo de 70 mil, o médico a diagnosticou com dengue, mandando-a ingerir líquidos e ficar de repouso em casa.

Ao ser medicada, ela começou a ter reação como diarreia, falta de ar, oxigenação do cérebro caiu, a pressão caiu, pulsação caiu, vomitando sangue.


No dia 16, a adolescente piorou, os sintomas evoluíram e por volta das 15 horas ela foi levada para a Santa Casa de Arcos. Danila relatou que ao ser medicada, P.R reagiu à medicação e o estado de saúde dela piorou. “Ao ser medicada, ela começou a ter reação como diarreia, falta de ar, oxigenação do cérebro caiu, a pressão caiu, pulsação caiu, vomitando sangue. Na sala de observação da Santa Casa criaram uma espécie de mini CTI para atendê-la, onde ela foi entubada”, explicou.

A transferência da adolescente foi feita na madrugada da última segunda-feira, 17. “Ela ficou na sala de observação até 00h15. A ambulância do Hospital Santa Marta veio até Arcos e levou ela para Formiga. Dois médicos agilizaram a transferência”, conta a tia.

Apesar de estar em estado grave, Danila informou que a sobrinha está respondendo ao tratamento. “Ela responde ao tratamento, as plaquetas hoje estão em 111 mil, mas os médicos já avisaram que o estado dela é grave. Ela está sedada, mas permanece consciente”, relatou.

Sobre a hipótese de que a adolescente esteja com dengue hemorrágica, Danila foi cautelosa e disse que o material foi colhido no dia 18 de março e enviado para Belo Horizonte, e só depois dos resultados poderão afirmar com certeza o diagnóstico. “Os médicos trabalham com a hipótese de que tudo indica que seja, mas o diagnóstico preciso eles só darão após a sorologia. O material foi colhido, e a previsão para o resultado do exame é de até um mês”, enfatizou.

Santa Casa confirma relatos de familiar

Na manhã da última terça-feira (18/03), o CCO encaminhou e-mail para a Santa Casa de Arcos a fim de buscar informações sobre o caso. Em nota, a administração da unidade de saúde confirmou o relato da tia da adolescente. Confira abaixo:

“Em resposta ao questionamento, a Santa Casa de Arcos vem informar que no dia 16/03/14, às 16h56, deu entrada ao PS da Santa Casa de Arcos uma jovem, de 16 anos, moradora no bairro Novo São Judas. Ela apresentava quadro sugestivo de dengue, de aproximadamente 7 dias de evolução. Ela foi atendida pelo médico plantonista e iniciou soroterapia. A paciente evoluiu com piora do quadro, com hipotensão arterial e insuficiência respiratória, sendo transferida para a UTI da Santa Casa de Formiga às 24 horas do mesmo dia. A hipótese diagnosticada é de dengue hemorrágica, mas necessita-se de exames para confirmação”.

O CCO também encaminhou e-mail à Secretaria Municipal de Saúde e a Assessoria de Comunicação do Governo Municipal, com a finalidade de buscar dados sobre o caso e também o número de casos de dengue registrados em Arcos nestes três primeiros meses de 2014. Até o fechamento desta matéria, as respostas não haviam sido encaminhadas à Redação.

Casos de dengue em anos anteriores

No dia 17 de janeiro deste ano, foi publicada uma matéria no Portal CCO informando que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, em 2012 foram notificados 24 casos de dengue em Arcos, ou seja, casos suspeitos. Desse total, foram confirmados 12 casos, 10 foram descartados e 2 foram inconclusivos. Já no ano de 2013, o número de casos notificados como suspeitos aumentou para 523. Destes, foram confirmados 299 casos e 222 foram descartados. Dois deles foram inconclusivos.

O resultado do primeiro LIRAa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti) de 2014, divulgado no dia 17 de janeiro, apontou que o índice de infestação vetorial em Arcos foi de 1%, número considerado de médio risco, uma vez que o preconizado pelo Ministério da Saúde é de 1%. No mesmo período de 2013, o LIRAa indicou índice de infestação vetorial de 5,4%, alto risco. Neste LIRAa, 953 imóveis foram pesquisados e 100% dos focos foram encontrados dentro de residências, sendo que 1% deles deram positivo, ou seja, 10 focos.

 

Fonte: Correio Centro Oeste

Deixe o seu comentário e compartilhe no Whatsapp